Ah, o cheiro do carro novo!

Não há perfume que resolva

Não precisa ser entusiasta dos lançamentos do mercado automobilístico para gostar do cheiro de uma carro novinho né?

Mas porque eles têm esse cheiro?

Leia no link abaixo de onde vem e como são os testes!

https://www.megacurioso.com.br/carros/90623-descubra-como-e-produzido-o-cheiro-de-carro-novo.htm

Anúncios

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 5 – Final

Imagem relacionada

Diz-se a primeira greve da história da humanidade foi protagonizada em 1330 a.C. pelos soldados do faraó Seti I, que pararam de receber unguentos aromáticos. Pouco depois (1300 a.C.), coube ao faraó Ramsés II enfrentar uma revolta de trabalhadores em Tebas, que estavam indignados com a escassez de rações, de comida e de unguentos.

Uma invenção muito original foi a dos cones de gordura e resinas aromáticas, chamados de cones tebanos, que eram apoiados no centro da cabeça antes dos banquetes; com o calor no transcorrer da festa, as resinas se dissolviam aos poucos e escorriam sobre os ombros das pessoas, exalando desse modo fragrâncias refinadas.

O perfume era então utilizado como oferta aos Deuses, na medicina, na higiene pessoal e como atrativo também! Como não se deixar seduzir por um delicioso aroma?

Não poderíamos deixar de falar sobre Cleópatra: última rainha do Egito, símbolo do poderio feminino, de beleza questionável, dona do coração de dois imperadores romanos e de fim trágico! Fazia de seus rituais perfumados símbolos da sedução.

Resultado de imagem para egypt cleopatra

Conquistou o coração do general romano Marco Antônio e conseguiu dele uma aliança com Roma. Pelo que vemos através das descobertas arqueológicas, ela era muito mais atraente do que propriamente bonita, inteligente, ótima estrategista e sabia usar cosméticos e perfumes para aumentar seus encantos.

Diz-se que Cleópatra usava babosa para conservar a beleza da pele e dos cabelos. Sobre seus lendários banhos de leite de cabra (ou de burra), especula-se a rainha fazia banhos de imersão em leite com mel, lavanda, ou pétalas de rosa. Seus rituais diários de beleza durante o banho chegavam a durar 6 horas. Usava sal do Mar Morto misturado ao mel para esfoliar a pele.

Cleópatra possuía seu próprio ateliê de perfume. Dizia-se que ela esfregava perfume sólido na boca antes de beijar um amante, para que o cheiro o obrigasse a pensar nela depois do encontro. Para melhorar o hálito, Cleópatra mastigava pastilhas de kyphi, ervas ou resinas perfumadas.

Resultado de imagem para cleopatra queen beauty

Tinha preferência pelo óleo de rosas, em sua célebre visita a Roma, a rainha do Egito deixou um rastro de rosas por onde passou e fez com que tal aroma entrasse na moda por lá!

As velas do barco de Cleópatra eram impregnadas de essência de rosa com isso, ao navegar era percebida antes mesmo de visualizarem as embarcações! Além disso, o trono de seu barco era envolto em nuvens de incenso. Sua presença tornava-se quase mística, era uma deusa em forma humana, exalando perfumes e deslizando sobre as águas.

Resultado de imagem para egypt cleopatra ships

Apaixonada que era pelo perfume das rosas, Cleópatra usava as pétalas das flores para forrar a cama e o chão do quarto enquanto aguardava a chegada de seu amado, Marco Antônio. Em sua derradeira noite, antes de morrer, banhou-se e perfumou-se com as mais ricas essências.

E com a presença da célebre Cleópatra terminamos nossa viagem ao Egito Perfumado da antiguidade. Espero que tenham gostado!

Fontes:

Sites:

http://www.touregypt.net/egypt-info/magazine-mag03012001-mag4.htm

https://aloucadosperfumes.com/2013/05/22/kyphi-o-perfume-dos-deuses-no-antigo-egito/

Livros:

ASHCAR, Renata, BrasilEssência: a Cultura do Perfume, 1.ed, São Paulo: Nova Cultural, 2001, 201p.

CORAZZA, Sonia, Aromacologia: uma ciência de muitos cheiros, 1.ed, São Paulo: Editora SENAC, 2002, 412p.

AFTEL, Mandy, Essências e Alquimia, 1.ed, Rio de Janeiro: Rocco, 2006, 236p.

Kaiak Ultra, Natura

Imagem relacionada

Sim, chegou o outono mas o calor continua intenso, infelizmente.

A parte boa é que recebi esses dias o lançamento da Natura, Kaiak Ultra, mas versões feminina e masculina. E encontrei um oásis! Começa pelas embalagens, que dão a sensação de algo gélido, mineral, metálico.

Segundo a marca e a perfumista criadora, Verônica Kato: “Suas estruturas têm um metálico que vem da combinação de anis, estoraque, menta e hortelã. Sua composição conta ainda com um ingrediente especial, um aldeído natural, que proporciona um verdadeiro frio na barriga. Tentamos traduzir aquela sensação que você tem quando cria coragem e mergulha com tudo em uma água supergelada nos dias quentes”.

Pura verdade, dona Verônica! É isso mesmo! Assim que borrifei (as duas versões), tive essa sensação. Parecia que um borrifo gelado invadia minhas narinas, a versão masculina ainda mais! Aliás, ela tem um quê do Bvlgari Aqva Marine.

Mas tem uma diferença importante: Aqva é mar, Ultra é cachoeira! É queda d’agua rodeada de samambaias, pedras. A versão feminina também trás essa sensação, mas é mais terna. Lá no fundo, bem no fundo me lembra a sensação que o Thaty do Boticário me trazia: um conforto, um carinho na pele. Ah, já sei, é a lavanda!

Então vamos lá, tentar dar uma ordem a essa descarga de sensações:

Ultra Feminino: notas iniciais de especiarias frias, aquáticas e cítricas. A sensação gelada passa aos poucos, como se fosse uma roupa que está secando na pele. Aí surgem o jasmim e a lavanda, acariciando, trazendo conforto e ternura. As notas finais são almiscaradas. Apesar do perfume despertar boas sensações, acho que a sua permanência na pele deveria ser maior.

Notas olfativas: cítricos, notas aquáticas, anis, estoraque, jasmim, lavanda.

Ultra Masculino: esse dá até um siricutico no nariz! Gelado que só, é água, é pedra, é vento! Depois de algum tempo surgem notas herbais e amadeiradas que atenuam o aspecto aventureiro e trazem elegância e lugar-comum ao perfume. Explico: depois da explosão das notas de saída, o perfume não é nenhuma grande novidade.

Notas olfativas: anis, notas aquosas, acorde metálico, estoraque, bergamota, hortelã, pimenta-rosa, laranja, limão, alecrim, cedro, patchouli, âmbar.

Ah, a marca sugere que para potencializar a sensação, os perfumes podem ser deixados na geladeira! Isso deve de fato refrescar a alma!  Vou experimentar!

Kaiak Ultra foi meu momento ‘lerigou‘ em meio a esses dias horrendamente quentes!

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 4

Resultado de imagem para kyphi egypt

Um dos mais famosos compostos perfumados egípcios é o Kyphi. A primeira referência ao kyphi é encontrado nos textos das pirâmides: é listado entre os bens que o rei vai desfrutar em sua vida após a morte. Existe um papiro que registra a doação e entrega de ervas e resinas para sua fabricação nos templos de Ramsés III. As instruções para a preparação de kyphi e listas de ingredientes são encontrados entre as inscrições da parede no templo de Edfu e Dendera, no Alto Egito.

Médicos gregos que estudaram a farmacologia egípcia citam o kyphi como um medicamento. Dioscorides estabelece a preparação de kyphi na sua ‘Materia Medica’ e esta é provavelmente a primeira descrição grega do material.

Para Isis e Osiris, divindades egípcias, nos comentários do historiador Plutarco, os sacerdotes egípcios queimavam incenso três vezes ao dia: ao amanhecer incenso, mirra ao meio-dia, e kyphi ao anoitecer. Observa ainda que a mistura foi usada como “uma poção e uma pomada”. No século VII o médico Paulo cita um kyphi ”Lunar” de vinte e oito ingredientes e um kyphi “Solar” de trinta e seis.

Todas as receitas para kyphi fazem menção ao vinho, mel e passas. Outros ingredientes identificáveis ​​eram: canela, casca de cássia, cedro, bagas de zimbro, cana aromática, nardo e resinas como incenso, mirra, resina benjoim, ládano e aroeira.

O fabrico de kyphi tal como indicado no texto de Edfu envolve a mistura e envelhecimento de dezesseis ingredientes em sequência. O resultado era enrolado em ‘bolas’ e colocado sobre brasas para liberar uma fumaça perfumada.

Resultado de imagem para medicine egypt

A medicina egípcia também fazia muito uso de aromas. Pomadas e unguentos eram utilizados para curar os mais diversos males e para proporcionar bem-estar: mirra era usada como anti-inflamatório, fraturas ósseas eram tratadas com emplastros de plantas e óleos. As mulheres untavam a genitália com âmbar e algália a fim de aumentar o prazer da relação sexual.

No período de 2551 a 28 a.C. os egípcios registraram em papiros o uso medicinal de ervas e outras substâncias. Alguns papiros fazem menção a mais ou menos 125 ervas e plantas das quais se extraíam óleos essenciais. Entre eles canela, anis, cardamomo, mostrada, açafrão.

Os primeiros registros do ato de se banhar individualmente ocorreram por volta de 3.000 a.C., e pertencem ao antigo Egito. Os egípcios realizavam rituais sagrados na água e banhavam-se diariamente, dedicando os banhos a divindades como Thot e Bes.

Resultado de imagem para bath egypt

Os banhos aconteciam pela manhã e antes das refeições. Os banhos das classes sociais favorecidas – o faraó e sua família, sacerdotes e demais pessoas abastadas – era um verdadeiro ritual. Além de água, os egípcios usavam uma pasta de argila e cinzas, a suabu. Incensos eram queimados, os corpos e cabelos eram untados com óleos e pomadas aromáticas e elaboradas maquiagens eram feitas.

Mais do que limpar o corpo, os egípcios presumiam que a água purificava a alma e esta crença era válida tanto para a realeza – cortejada com óleos aromáticos e massagens aplicadas pelos escravos – quanto para a população mais pobre, que recorria inclusive a profissionais de rua quando não conseguiam tratar da própria higiene.

Continua…

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 3

Durante seu reinado, a rainha Hatshepsut enviou uma expedição a Punt (a moderna Eritréia) e de lá trouxeram bens preciosos como ébano, marfim, ouro e incenso. Aparentemente a expedição trouxe árvores de mirra, que foram plantadas nas redondezas do templo funerário da rainha.

Resultado de imagem para hatshepsut

Na tumba do faraó-menino Tutancâmon foram encontrados óleos perfumados de cedro, olíbano, mirra, coentro. Eram tanto utilizados nas bandagens que envolviam seu corpo quanto preservados em jarros de alabastro específicos para tal fim, os chamados Alabastrons.

Resultado de imagem para alabastrons tutankamon

Dentro de tais frascos (riquíssimos, aliás: urnas incrustadas com ouro, potes de cerâmica delicada e calcedônias) os unguentos e óleos eram preservados por muito tempo. Pesquisadores encontraram em um dos jarros da câmara mortuária do faraó um unguento poderia ser recriado da seguinte forma, atualmente.

Perfume de Tutankhamon:

Um quarto xícara de óleo de coco

6 gotas de óleo essencial de nardo

6 gotas de óleo essencial de olíbano

A recriação historicamente correta de unguento precioso de Tutankhamon pode envolver gordura de ganso para a base. A versão mais palatável para o gosto moderno pode ser o óleo de coco.

O ungüento perfumado encontrado na tumba de Tutancâmon era de natureza sólida. Observadores da época citam o aroma similar ao óleo de coco e também lembrando o cheiro de valeriana (Valeriana officinalis).

O perfume foi analisado em 1926 e verificou-se consistir de gordura animal e de uma resina ou bálsamo. Na época eles eram incapazes de ser mais específicos. No entanto, o componente perfumado primário é acreditado agora para ser primo de valeriana, o antigo e precioso nardo (Nardostachys jatamansi).

Imagem relacionada

A reputação do nardo é antiga. É um ingrediente em algumas fórmulas para Kyphi, o famoso perfume sagrado egípcio. O nardo também foi um componente do incenso sagrado oferecido no Templo judaico de Jerusalém. Ele é mencionado nada menos que três vezes no Cântico de Salomão.

Continua…

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 2

Resultado de imagem para egypt antique temple perfume

Chegamos então no Antigo Egito. Os perfumes egípcios eram na forma de óleos e unguentos, eram bem diferentes do que hoje conhecemos como perfumes.

Tais produtos tinham importância religiosa, medicinal e cosmética. Olíbano era queimado ao nascer do sol para o Deus Rá e ao anoitecer mirra era queimada como oferta à Lua.

Sendo o perfume algo voltado aos Deuses e ao Faraó, sua personificação na Terra, existiam laboratórios produtores dentro dos templos. Era comum a queima de incensos e o uso de óleos perfumados para honrar estátuas sagradas.

Vamos falar um pouco sobre o Deus Nefertum (ou Nefertem), divindade da cidade de Mênfis, deus solar da cura, beleza e dos perfumes, de acordo com um mito de criação egípcio, Nefertum teria surgido de um botão azul de lótus, tornando-se “aquele que traz a luz”, o primeiro raio de sol.

Tem como adorno na cabeça uma flor de lótus e seu nome significaria, de acordo com os vários autores, “Lótus”, “Perfeição absoluta” ou “Atum, o belo”.

Resultado de imagem para nefertem god

Acredita-se que Nefertum possa ser a criança que, ao amadurecer, se torna o deus Rá. Ou então, seria a flor sobre o nariz desse Deus, perfumando e iluminando seus caminhos. No Livro dos Mortos está escrito: “Levanta-te como Nefertem do lótus azul, para as narinas de Rá, o deus solar criador, e saia no horizonte a cada dia.”

É considerado patrono da arte cosmética, das plantas curativas (inclusive das narcóticos e afrodisíacas) e da aromaterapia. Por ser o raio de sol de todas as manhãs, também era associado ao renascimento e, portanto, patrono de vários ingredientes utilizados no processo de mumificação.

Assim sagrado e do agrado das divindades, o perfume era muito utilizado nos ritos de mumificação, sempre de olho na eternidade e em ser reconhecido (e querido) pelos Deuses. Quando o desencarnado chegasse em sua nova morada sua alma seria reconhecida através de seu perfume.  Resina de pinheiro, mirra, cássia, cedro, olíbano, eram utilizados nos ritos de mumificação pelas suas propriedades bactericidas e odoríferas.

Havia também Shezmu, conhecido como o “Carrasco de Osíris”, era o deus dos óleos e perfumes utilizados nas mumificações, assim como a divindade demoníaca das execuções, sacrifícios, do sangue e do vinho. Sua função era destruir os malfeitores e cortar suas cabeças, que eram colocadas em uma prensa e esmagadas para produzir sua bebida favorita.

Resultado de imagem para shezmu

Continua…

Fonte: https://www.megacurioso.com.br/historia-e-geografia/67265-5-divindades-egipcias-sinistras-que-voce-talvez-desconheca.htm

 

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 1

Já falamos sobre perfumes no Antigo Egito? Já sim, você pode ver aqui, aqui e aqui.

Porém, em 2016 fui chamada para fazer uma palestra online no Ciaroma 2016 e agora resolvi trazer para vocês parte do texto que elaborei para o evento! O tema que desenvolvi foi justamente a Perfumaria no Antigo Egito.

Como não se fascinar pela história das civilizações antigas, ainda mais quando há relação com a perfumaria!

Vamos lá então?

Antes vamos pontuar algumas coisas sobre a história da perfumaria no geral. A palavra perfume vem do latim ‘per fumum’, que significa ‘através da fumaça’. Isso nos leva a tempos imemoriais onde os homens faziam oferendas e atraíam a atenção de suas divindades adicionando ao fogo ervas, resinas, madeiras que modificavam o odor da fumaça, que a fazia ser perfumada.

O perfume era uma forma de ligar o homem ao sagrado.

O perfume como conhecemos hoje começou a tomar forma no final da Idade Média, quando surgiram águas aromáticas de finalidades medicinais, em uma época que o banho era evitado. Em 1370 surgiu a precursora da água de colônia, que era um preparado inspirado na então Rainha da Hungria. Foi chamado de ‘Água da Hungria’ e era composto de de alecrim, resinas e destilado alcoólico.

Durante o Renascimento a arte da perfumaria teve ascensão. Em 1533, quando a nobre Catarina de Médici mudou-se para a França a fim de casar-se com Henrique ll, levou em seu séquito o perfumista Rene Blanc, chamado de ‘O fiorentino’. Ele fundou a primeira boutique de perfumes de Paris.

No início do século XVIII o barbeiro italiano Giovanni Paolo Feminis, residente em Colônia, na Alemanha, comercializava a chamada acqua mirabilis composta de essências naturais da Itália (neróli, bergamota, alecrim e lavanda diluídos em álcool neutro). O sucesso foi tanto que seu parente Giovanni Maria Farina (que ficou conhecido como Jean Marie Farina) veio ajuda-lo na produção. A fórmula fora registrada com o nome de 1714 Água de Colônia e o mundo tornou-se mais perfumado!

Resultado de imagem para acqua mirabilis

Coisa muito recente no mundo da perfumaria é o borrifador. Nos anos 60, 70 o perfume não tinha nenhum tipo de válvula, era passado com os dedos. Virava-se o vidrinho, e com os dedos colocava-se o perfume nos pontos escolhidos do corpo. Na minha opinião, isso torna o ato de perfumar-se muito mais íntimo e sensual, envolve outro sentido além do olfato, o tato. Porém existe o risco de contaminação do perfume, em seus dedos podem existir bactérias e partículas diversas que podem acelerar o processo de oxidação do produto e até mesmo existe o risco de desenvolver uma alergia em virtude do líquido contaminado.

Continua…