A Historia do Banho – Parte II (post republicado)*

*Post original de 07/03/2013.

Imagem relacionada

Nas minhas buscas por artigos sobre perfumaria e afins na internet, deparei-me com isso:  O banho foi enredo do Carnaval da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis no ano de 2009. É de lá que tiramos as informações do texto a seguir:

http://www.galeriadosamba.com.br/carnavais/beija-flor-de-nilopolis/2009/5/

Parte II:

3 – Idade Média –  A Proibição do Banho

A condenação do inferno, tão comum na Idade Média…

Durante a Idade Média, os ocidentais abandonaram os sofisticados rituais de limpeza da Antiguidade e mergulharam numa profunda sujeira. A maneira de ver o banho mudou. As idéias religiosas foram levadas ao exagero e as saunas passaram a ser consideradas locais de pecado, porque as pessoas se viam nuas umas às outras e tudo poderia acontecer. Era um convite às tentações da carne…

Ui, podia acontecer…

Não é exagero afirmar que a Idade Média foi o período em que a cristandade varreu da Europa as termas e demais atividades em que as pessoas se expusessem demais. Com tantos pudores, o prazer de tomar banho de corpo inteiro passou a ser visto como um ato de luxúria. Lavar as mãos e o rosto bastava, às vezes nem isso. Quando muito, era aceitável tomar um só banho por ano.

Os banhos foram totalmente proibidos, aumentando as doenças, em especial a peste. Dizia-se que a água “amolecia” a alma. Dizia-se ainda, que o fato de a água quente dilatar os poros da pele facilitava a entrada de doenças no corpo. Desta forma, nesta época, a higiene basicamente resumia-se em vestir uma roupa limpa e usá-la até ficar suja, pois acreditava-se que a roupa funcionava como uma espécie de “esponja”, absorvendo a sujeira. Sendo que muitas vezes a roupa sequer era lavada, apenas sacudida.

Os banhos eram escassos, quase inexistentes. Em famílias pobres, quando eles aconteciam, a água servia para banhar a família inteira em uma tina. Primeiro os homens, depois os filhos e por último as mulheres.

Iniciou-se um período de imundície com conseqüências desastrosas para a Europa. Segundo os sanitaristas, as constantes epidemias que assolaram o Velho Mundo durante a Idade Média foram provenientes da total ausência de higiene por parte da população. As necessidades fisiológicas eram “despejadas” pelas janelas!

Esta falta de asseio pessoal, aliada às condições de vida insalubres, contribuíram sobremaneira para as grandes epidemias da Idade Média e, em especial, para a Peste Negra do século XIV.

Com os grandes surtos epidêmicos instala-se a convicção de que a água, por efeito da pressão e sobretudo do calor, abria os poros e tornava o corpo receptivo à entrada de todos os males. A água seria o veículo transmissor das doenças… e devia ser mesmo, com tantos dejetos despejados em rios e córregos.

Desde o século XV, os médicos condenavam a utilização dos balneários públicos e das estufas. Defendiam a teoria que, “depois do banho, a carne e o hábito do corpo amolecem e os poros abrem-se, e assim, o vapor empestado pode entrar prontamente no corpo e provocar a morte súbita”.

A ideologia cristã instaurou preconceitos e impôs uma nova moral e conseqüentes novos costumes. A Igreja temia pela sujidade das almas, pois os hábitos promíscuos eram uma porta aberta para o pecado. Havia assim, que se evitar os banhos públicos, locais “propícios à devassidão e ao amolecimento dos costumes”.

Mas há controvérsias quanto a higiene do período medieval, recomendo a leitura do s artigos: https://www.megacurioso.com.br/historia-e-geografia/36876-6-mitos-sobre-a-idade-media.htmhttp://www.ohistoriante.com.br/higiene-medievo.htm

Imagem relacionada

4- Renascimento – Dos Maus Odores ao Banho de Civilização

No século XIII, frades dominicanos iniciaram as atividades farmacêuticas relativas à produção de essências, pomadas, bálsamos e outras preparações medicinais. Muitas dessas fórmulas, produzidas até os dias de hoje, foram estudadas durante a corte de Catarina de Médici, nobre florentina que se mudou para a França em 1533, para se casar com o Rei Henrique II.

Os perfumes de Catarina de Médici eram feitos em Grasse, uma pequena cidade ao sul da França, localizada aos pés dos Alpes mediterrâneos. Grasse era então um centro da indústria de couro e perfumação do mesmo, especialmente o das delicadas luvas das senhoras.

Aos poucos, a era das águas perfumadas, as famosas águas de colônia, foram cedendo espaço para a composições à base de almíscar. A preocupação com a higiene e os cuidados com o corpo permanecia. Também se considerava importante o cultivo de jardins, capazes de repelir os odores pestilentos comuns na época.

Diz-se que Luis XIV, o “Rei Sol”, era muito sensível a odores, e tinha um perfume para cada dia da semana. Em sua corte, rosas e flores de laranjeira eram usadas para perfumar luvas, e os sabonetes de óleo de oliva faziam parte da higiene diária. As fragrâncias apreciadas por Luís XIV eram produzidas no sul da França.

No Renascimento, a idéia de manter o corpo limpo foi abandonada e os “banhos de água” foram substituídos por “banhos com fortes perfumes e essências”, sendo Catarina de Médici a grande responsável pela difusão do perfume na França.

A fomentação da expansão marítima conduz os europeus ao descobrimento de novas terras, denominadas de ‘Novo Mundo’ e a realidade da Europa (o ‘Velho Mundo’) mostrava-se paradoxal aos costumes demonstrados pelos habitantes dos territórios localizados na atual América do Sul.

A chegada dos brancos impressionou aos índios, devido à aparência suja e grotesca dos europeus, chamados de “mal cheirosos e porcos”.

Observando os hábitos dos indígenas, nativos das terras recém-descobertas, os europeus aprenderam diversos conhecimentos sobre limpeza e higiene, pois era comum e que os nativos se banhassem em rios, lagos, lagoas e cachoeiras. De modo que os indígenas em muito contribuíram para o progresso nos costumes dos europeus, promovendo um verdadeiro banho de civilização.

5- Corte de França – Banho de Cheiro Disfarçando a Sujeira

A fundação da primeira boutique de perfumes em Paris impulsionou a produção e a comercialização de produtos aromáticos. A opulência, o esplendor, a extravagância e o refinamento surgiam nas famílias aristocratas e dominavam a corte européia.

A moda dos banhos estimulou a difusão dos perfumes por toda a Europa. A “Corte Perfumada”, fiel ao estilo Rococó, bem como toda a nobreza francesa, habitualmente se utilizavam de bálsamos e perfumes – nas roupas, nos corpos e nos cabelos – para disfarçar a sujeira e amenizar o mau cheiro.

“Por fora bela viola, por dentro, pão bolorento…”

Outras fontes: http://stravaganzastravaganza.blogspot.com.br/2011/03/historia-do-sabao-e-da-higiene-corporal.html

http://gehspace.com/arte26a30.htm

Anúncios

A História do Banho – Parte I (post republicado)*

*Post original de 06/03/2013.

Imagem relacionada

Nas minhas buscas por artigos sobre perfumaria e afins na internet, me deparei com isso:  O banho foi enredo do Carnaval da Escola de Samba Beija-Flor de Nilópolis no ano de 2009. É de lá que tiramos as informações do texto a seguir:

http://www.galeriadosamba.com.br/carnavais/beija-flor-de-nilopolis/2009/5/

Os primeiros registros do ato de se banhar individualmente ocorreram por volta de 3.000 a.C., e pertencem ao antigo Egito. Os egípcios realizavam rituais sagrados na água e banhavam-se diariamente, dedicando os banhos a divindades como Thot e Bes.

Resultado de imagem para historia do banho egito

Thot era o Deus do conhecimento, da sabedoria, da escrita e da medicina, considerado a melhor divindade para cuidar das pessoas que se banhavam. Depois dele, vinha Bes, o Deus da fertilidade e do casamento, que cuidava do parto e do banho das crianças e mulheres.

Mais do que limpar o corpo, os egípcios presumiam que a água purificava a alma, e esta crença era válida tanto para a realeza – cortejada com óleos aromáticos e massagens aplicadas pelos escravos, quanto para as populações mais pobres, que recorriam inclusive a profissionais de rua quando não conseguiam tratar da própria beleza. Os egípcios foram os inventores dos primeiros cosméticos.

2- Termas – Luxúria Líquida

Babilônia, Turcos, Gregos, Romanos

A Grécia foi um dos locais em que o banho prosperou, sendo possível encontrar bem preservados palácios de 1700 a.C. a 1200 a.C. que, mesmo nos dias atuais, surpreendem devido a avançadas técnicas de distribuição da água.

Resultado de imagem para banho antiguidade

Apollon and the Nymphs, 1666-73, Apollo Grotto, Versailles

Na Grécia, o banho também era uma extensão necessária da prática de ginástica, e comumente os gregos antigos invocavam a proteção de Hera, a mulher de Zeus (também conhecida como Deusa Juno), durante o banho.

Os gregos tomavam banhos por prazer e para ter uma vida saudável, motivados pela higiene, espiritualidade e práticas desportivas, sendo que os médicos da época louvavam as virtudes ocasionadas em função dos diferentes tipos de banho, aconselhando o uso de óleos na água para untar o corpo antes de as pessoas se secarem.

Embora os gregos tenham iniciado a prática dos banhos públicos no Ocidente, os pioneiros nos balneários coletivos foram os babilônios.

Materiais saponificantes anteriores a 2.800 a.C. foram encontrados em cilindros escavados nas ruínas da antiga Babilônia. As inscrições indicam que aquele material era utilizado para a limpeza dos cabelos e para auxiliar na confecção de penteados.

Por volta de 650 a.C a cidade da Babilônia, na Mesopotâmia, tornou-se o centro comercial de especiarias e perfumes da época.

Já no século II a.C., os romanos construíram enormes complexos de banho para homens, sendo que os romanos foram o povo da Antiguidade que mais se importaram em transformar o banho num evento, construindo suntuosas termas públicas onde seus cidadãos podiam desfrutar dos prazeres proporcionados pelo banho. O banho referia-se à ideia de repouso e de convívio, pois era uma prática social e um ritual simbólico.

Imagem relacionada

Os romanos herdaram muito da cultura grega, incluindo a adoração pelo banho. Porém, entre eles, esse hábito adquiriu proporções inéditas. As visitas diárias às termas tinham fundo religioso, visto que o banho público era um ato de adoração à deusa Minerva.

Os romanos consideravam Minerva, a deusa do comércio, da educação e do vigor, especialmente bem dotada para cuidar do banho. Fortuna, a deusa do destino, também era representada nas casas de banho, para proteger as pessoas quando estavam mais vulneráveis. Além disso, havia incontáveis ninfas e espíritos associados a fontes e poços locais, venerados como guardiões do banho.

Resultado de imagem para historia do banho roma thermas

E o costume não era restrito somente às classes mais abastadas: boêmios, prostitutas, imperadores, filósofos, políticos, velhos e crianças, todos se banhavam no mesmo espaço, sem constrangimento.

Os gregos e os romanos mantiveram o hábito de reunir-se em “banhos públicos”, que eram verdadeiros locais de discussões e decisões políticas e sociais. As termas eram um ponto de encontro e de troca de informações e que se tornaram símbolos de luxo.

Os romanos e os gregos – precursores de sistemas hidráulicos que canalizavam águas pluviais e fluviais, conduzindo-as para as residências e termas – fizeram do banho um ritual de luxo e influenciaram o mundo com suas criações de óleos, ungüentos e maneiras prazerosas de banhar-se.

O rito do banho romano podia ser descrito da seguinte forma, segundo informações de outa fonte (http://algarvivo.com/arqueo/romano/termas-romanas.html):

O banhista devia começar por untar o corpo com óleos e praticar alguns exercícios de ginástica, desporto ou luta livre.

Entrava depois numa sala muito aquecida, o sudatorium, onde transpirava abundantemente.

Passava então ao caldarium, sala aquecida, onde podia lavar-se e retirar os restos de óleo.

Depois de uma curta passagem pelo tepidarium, mergulhava na piscina do frigidarium, cuja água fria lhe revigorava o corpo, sendo em seguida massajado e untado de óleos aromáticos.

Em geral, as manhãs eram reservadas às mulheres e as tardes aos homens.

As mais antigas termas romanas de que há conhecimento datam do século V a.C. em Delos e Olímpia, embora as mais conhecidas sejam as de Caracala.

Normalmente, as termas romanas eram constituídas por diversas salas:

apodyterium – vestiário

tepidarium – banhos tépidos

praefurnium – local das fornalhas que aqueciam a água e o ar.

caldarium – banhos de água quente

palaestra frigidarium – banhos de água fria

sudatorium – uma espécie de sauna.

O apodyterium era a entrada principal, constituída por um quarto comprido ou largo, dotado de compartimentos ou estantes, nos quais os cidadãos guardavam suas roupas e pertences, enquanto tomavam seu banho.

Escravos particulares, ou funcionários das termas (capsarius), cuidavam dos pertences, enquanto os cidadãos desfrutavam dos prazeres do banho.

Um manual escolar romano ensinava ao jovem aprendiz da nobreza que, ao entrar nos banhos, deixando para trás seu escravo no apodyterium, a lembrar-se de dizer-lhe: “Não durmas, por causa dos ladrões”.

Os homens livres ricos e suas mulheres traziam habitualmente vários escravos até o apodyterium, como forma de exibir suas posições sociais. Estes escravos levavam toda uma parafernália de banho: acessórios e artigos de vestuário para banho, sandálias, toalhas de linho, e ainda óleos para unção, perfumes, esponjas, e strigilis – instrumentos de metal recurvados para raspar o excesso de óleo, suor e sujeira dos corpos.

Resultado de imagem para strigil

Voltando as informações da Beija-Flor….

Os árabes não só compreendiam e apreciavam os prazeres dos perfumes, mas também possuíam conhecimentos avançados de higiene e medicina. Muito celebrados por suas maravilhosas descobertas, eles ofereceram à humanidade o primeiro alambique, e a partir desta invenção foi possível destilar as matérias-primas e preparar a primeira água de rosas do mundo, isolando o perfume de pétalas em forma de óleo.,

Imagem relacionada

Associar os famosos banhos turcos a rituais amorosos é uma das primeiras reações dos ocidentais ao imaginar as sofisticadas casas dos muçulmanos. O hamman, a cerimônia islâmica do banho, estimulava a imaginação dos europeus, ao descrever dezenas de belas mulheres se banhando e se embelezando em um ambiente ricamente ornamentado.

Mas o hamman supera essa carga erótica. É um preceito da fé islâmica lavar e perfumar o corpo para a oração. E os banhos em conjunto, demorados, são a melhor maneira de se purificar para a prece. O hamman serve, então, como meditação entre os pecados do corpo e a limpeza do espírito.

Na Europa, somente no século XVII houve a introdução das casas de saunas e banhos turcos.

Em breve a parte II…

Outras fontes:

http://www.arquitetonico.ufsc.br/vamos-tomar-banho

http://www.wga.hu/frames-e.html?/html/g/girardon/index.html

http://www.livingdesign.net.br/2011/11/%E2%80%9Ckitchen-bath%E2%80%9D-%E2%80%93-a-historia-do-banheiro.html

http://seguindopassoshistoria.blogspot.com.br/2014/01/os-banhos-publicos-na-roma-antiga.html

Recomendação de leitura:

https://www.estantevirtual.com.br/livros/katherine-ashenburg/passando-a-limpo-o-banho-da-roma-antiga-ate-hoje/587388735

Para ver o desfile da Beija Flor:

https://www.youtube.com/watch?v=xLArf9QJdJI

 

 

MAIS anúncios antigos de perfume?

Quanto mais melhor! Quem não gosta de ver propagandas antigas e imaginar como seriam esses perfumes de priscas eras? Então venha se deliciar, hoje temos nada mais nada menos que 22 preciosidades em exposição!

Pode entrar e ver a vontade, freguesia! Moça bonita não paga! Moço bonito também não, aqui praticamos a igualdade.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

Magia da Floresta, Natura

Resultado de imagem para magia da floresta natura

“Chove todo dia na floresta amazônica. O céu escurece de uma hora pra outra, a brisa vira ventania, a atmosfera fica densa e pesada até que o céu despenca, violento. Então de repente as nuvens se dispersam. O vento cessa e a magia da floresta acontece. A luz do sol invade e aquece outra vez o verde da mata. O ar se imunda com uma deliciosa névoa misteriosa e surpreendente. É uma mistura de madeiras, folhas, raízes e cipós. A quintessência da floresta, que atravessa galhos e copas, subindo em direção ao céu. Ela é semente de nuvem. Amanhã vira chuva outra vez”. 

Esse belo texto não é meu não, veio no material que recebi junto com o mais novo perfume da linha Ekos, o Magia da Floresta. E que lindo! Se você deixar a imaginação solta, tirar da cabeça as preocupações cotidianas e o barulho da rua, vai conseguir sentir o cheiro!

Sempre fui fascinada por plantas e a magia que provém delas! Moro em apartamento, mas tenho uma infinidade de vasos. São cheiros, sabores, formas e cores magníficos. Por isso o nome Magia da Floresta logo encantou o coraçãozinho desta que vos fala, leitora de livros de fantasia, jogadora de RPG, fã de mitologias… E a brasileira é tão rica, os mitos indígenas são incríveis e tão pouco divulgados. É uma pena!

Magia da Floresta é encantador! Enquanto o Flor do Luar é amanteigado, o Flor da Manhã é úmido e morno, o Magia é amendoado e feiticeiro!

Me fez lembrar de uma plantinha que tempos atrás, comprei como sendo um patchouli, mas não era. O nome dela é Macassá, erva usada nas religiões africanas como poderoso atrativo para o amor, apaziguadora, fortemente ligada ao sagrado feminino. É só mexer mas folhas que o perfume se desprende, todo faceiro.

Resultado de imagem para macassá

Mas tal erva não é listada no perfume, coisas da minha cabeça! Logo na saída Magia da Floresta tem breve tonalidade aquosa, água doce, margem de rio. Tem frutas secas também. Logo aparecem a priprioca, flores brancas. Dessas pequeninas no tamanho, gigantes no cheiro… algo como jasmim-dos-poetas.

Mais ao fundo tem o cheiro ‘verdoso’ do vetiver, madeiras úmidas, fava tonka, notas balsâmicas, ambarinas. Pura floresta, são árvores de copas frondosas, plantas rasteiras, sementes, resinas dos troncos!

Nessa hora Magia da Floresta fica amendoado, achocolatado, terroso! E a chuva passou, deixando no berço da terra a fertilidade de tudo que se desprendeu das plantas com a tempestade… Isso sim, eu que escrevi.

Quem gosta do Gaultier 2, Joop! Le Bain e até mesmo do Hypnotic Poison, vai se encantar!

Notas de saída – damasco, pimenta rosa, flor de lótus.

Notas de coração – priprioca, peônia, jasmim.

Notas de fundo – vetiver, cedro, notas balsâmicas, fava tonka, copaíba.

Deixem nos comentários se querem que eu fale do Flor do Luar e do Flor da Manhã!!!

 

Les Parfums Mythiques – Organza Indécence, Givenchy

Resultado de imagem para Les Parfums Mythiques - Organza Indecence Givenchy

Em 2007 a Givenchy resolveu lançar uma releitura de de seus ‘Perfumes Míticos’. Que bom, pois muitos desses descontinuados deixaram uma saudade…

Eu virei grande fã do Organza Indécence de 1999, quando ganhei uma amostra da Vanessíssima. Conhece o blog dela? Não sabe o que está perdendo!!!! A preciosa amostra acabou e veio uma outra amiga muito amada, a Adriana e me presenteou com um decant do Organza Indécence em sua versão Les Parfums Mythiques.

Tive a ilusão de que seria o mesmo perfume, mas a cor do líquido no frasquinho já anunciava que eu ia me frustrar. E aí reflito que somos criaturas muito resistentes a qualquer mudança, o novo assusta e por isso o atacamos com tanta veemência. Então, tentando ser uma pessoa melhor, não falarei mal do novo Organza Indécence.

O perfume começa com toneladas de canela. Picante, adocicada, exótica! Ela é adornada por frutas maduras, tem aí cítricos doces e uma tonalidade ‘apessegada’ macia e suculenta. Em alguns momentos tem até uma atmosfera retrô que me fez lembrar do Opium.

E aí vem toda faceira, uma flor de aspecto melífluo, brevemente defumado e que me trás a sensação de estar mastigando uma casquinha de caramelo ainda morno, que gruda no dente: mimosa! .

Dançando em volta da canela ainda temos um patchouli achocolatado e âmbar macio e envolvente, muito do sexy! Diria ainda que tem um almíscar reforçando essa aura sensual e próxima.

É desses perfumes que fazem você grudar o nariz na pele e querer cada vez mais, fazer o cheiro dele ‘entrar’ em você e te transformar. Te fazer vivenciar, através do olfato, uma sensação física e imagética.

Apesar de ser delicioso, ele passa bem longe do Indécence criado em 1999. Mas não reclamo. Na vida tudo se transforma, tudo ganha nova roupa. Te aceito, te admiro e te amo, Les Parfums Mythiques Organza Indécence!

Notas de saída: canela, tangerina.

Notas de coração: ameixa, mimosa.

Notas de fundo: âmbar, patchouli.

 

Ah, o cheiro dos livros… Novos e Velhos!

il_fullxfull.269902025

Você prefere o cheiro dos livros novinhos recém saídos da loja ou o cheiro peculiar dos sebos, dos alfarrábios e das estantes abarrotadas de alguma biblioteca?

Eu gosto dos dois, cada qual seu encanto…

Então, olha que legal as matéria dos links abaixo!

https://www.megacurioso.com.br/ciencia/106873-por-que-algumas-pessoas-gostam-do-cheiro-de-livros-velhos.htm

https://bsf.org.br/2014/06/02/causa-do-cheiro-livro-novo-velhos/

Old-book-library-high-quality-wallpaper

 

Ilía Secreto, Natura

Resultado de imagem para ilia secreto natura

Tem coisas que eu não entendo. Uma vez uma pessoa me contou que AMAVA perfumes cítricos. No outro dia, disse que odiava comer frutas cítricas – inocentes e nutritivas mexericas e laranjas – porque não suportava o cheiro que ficava nas mãos. Mas ora, não é o cheiro do óleo essencial que solta da casca do fruto? Vai entender.

E também não entendo uma pessoa que outro dia disse, em tom de crítica, que eu estava falando muito de perfumes da Natura (e outras marcas mais acessíveis) no blog. Ora, se a Natura está lançando mil perfumes excelentes e ousados, qual motivo eu teria de não falar dela? Outra coisa, o país tá em crise, os perfumes estrangeiros estão caros, importar está muito difícil. E me conta, você prefere ler sobre um perfume de nicho raro e estrambólico que nem se encontra no país e ficar sonhando com o cheiro quase inacessível, ou ler sobre o Naturão que você acha com incrível facilidade? Só por curiosidade, tipo enquete. Eu pessoalmente acho as duas hipóteses atraentes. Imaginar um cheiro, como é um perfume que eu não conheço – mas leio sobre – me faz feliz. Ler sobre um e ir lá na loja tirar a prova também.

Justifico então, caro leitor, o porque falarei hoje sobre mais um perfume da Natura, o Ilía Secreto.

Perfumão, aliás! Bomba! Não vejo a hora de fazer frio pra usar e abusar dele. É daqueles que duas borrifadinhas te perfumam o dia todo e quando, depois de horas você vai tomar banho, exala lindamente em contato com a água morna!

Logo ao borrifar senti um delicioso cheiro frutado suculento e leitoso, me fez pensar em um creme de frutas roxas, uvas e ameixas! Logo aparece um bouquet floral exótico e sedutor. Tem a nota que na perfumaria chamam de ‘orquídea’ e eu nunca entendi bem, afinal, existem 50 mil espécies de orquídeas, de qual seria o cheiro… Tem jasmim, com sua faceta doce, macia e inebriante. E seria capaz de arriscar dizer que tem violetas e heliotrópio ali no meio.

E a nota gourmand intrigante que eu não soube reconhecer? Fui pesquisar e descobri que é uma inovação da Natura, a planta amazônica nomeada Ishpink, que remete a canela e pão de mel!

Nas notas de fundo temos uma harmonia cremosa de madeiras, fava tonka e café arábica. Café. Grãos brevemente torrados que ainda guardam uma nuance verde. Outra vez, meus palpites. Diria que tem uma pitadinha de patchouli.

O café é discreto, tem que prestar atenção. Mas é ele que atenua as notas doces e ‘renova’ essa última camada do perfume.

Ilía Secreto consegue ser ao mesmo tempo inebriante, exótico, sensual e elegante. Use nos SEUS momentos especiais!

E o frasco é roxo. Como não amar…

Notas de saída – ishpink, mandarina, pera, acorde frutal roxo (uva e ameixa).

Notas de coração – muguet, jasmim, frésia, orquídea.

notas de fundo – fava tonka, sândalo, cedro, café arábica.