Um post diferente sobre tabacos…

Uma planta polêmica… Nicotiana tabacum ou Nicotiana sylvestris (chamado Tabaco Branco) – as espécies mais utilizadas em perfumaria – possuem aroma rico, quente e adocicado. Pode apresentar facetas de uísque, bordo, caramelo e também aspectos róseo-frutados e de violeta. Muitos são os perfumes que possuem notas de tabaco, entre eles:
Joop! Homme Wild, Joop!
Fleur de Narcisse, L’Artisan
A*Men Pure Havane, Thierry Mugler
Fumerie Turque, Serge Lutens
Tobacco Vanille, Tom Ford
Cool Water, Davidoff
Tabarome, Creed
Sycomore, Chanel
Hoje no Blog temos a participação especial do meu amor, meu marido Fábio! Ele não é lá tão fã de perfumaria, possui 5 perfumes e já acha que tem demais! Ele tem o hábito de fumar cachimbo (é um confrade) e vem estudando bastante sobre tabacos. O interessante são as percepções olfativas dele em relação aos diferentes tipos de tabacos e misturas!
Reparem, não estou fazendo apologia ao tabaco, não! Estou falando de percepções olfativas, e sabemos que elas vêm de qualquer lugar.
E lá vamos nós, envoltos em fumaças aromáticas…

Impressões de tabacos (por Fábio Martins)

Experiências sensoriais são pessoais. Porem todos tem. Quem nunca sentiu um cheiro que o levou de volta à infância, seja um ambiente ou situação? Quem nunca sentiu um cheiro de perfume e lembrou de alguém ou ouviu uma musica e riu sozinho com uma situação que já passou? Pois bem, essas impressões me são causadas por tabacos de cachimbo que permitem visualizar locais que já vi ou que imagino que um dia verei. Experiências particulares e, sendo assim, não espero que ninguém se inspire nelas mas se concordar talvez você ria sozinho ao ler essas loucas “viagens”.

 Skiff Mixture (26/08/2013)

Transporta desde a abertura da lata a um ambiente marítimo e salino. Mas nada nobre nem rico; algo ate braçal, operacional. No ato de fumar permite visualizar-se na ponte de um navio de pesca de bacalhau já próximo  do porto num clima frio, depois de um dia de sucesso com o casco cheio, o corpo cansado mas triunfante e o dever cumprido.  Na minha opinião seria bem acompanhado por uma lata de Guiness.

 Petterson Sherlock Holmes (08/09/2013)

Uma experiência extremamente atípica numa fumada de sabor intenso. Esse tabaco tem características que levam ao confrade a tranqüilidade de um fim de dia, num clima frio do entardecer em um pub onde se pode tomar aquele merecido whisky ou conhaque apos a estressante rotina de alguma metrópole já entregue completamente á modernidade e o contato com áreas naturais se limita a locais específicos. Um tabaco moderno e marcante, na minha opinião como já dito seria bem acompanhado com uma boa dose de whisky.

The Golden Heart, Pub in London Black and White Photo520

 Cornell & Diehl, Apricots & Cream (22/09/2013)

Um tabaco que te deixa feliz! Apricots & Cream tem uma fumada mediana em termos de sabor e cheiro  mas teve a maior capacidade sensorial desde que iniciei no mundo dos cachimbos. É um tabaco encorpado, com as maiores características situadas em um ambiente de uma doceria. Sim, aquela doceria completa com aquela maquina de café expresso e doces incomuns que causam o divorcio dos regimes e dietas espalhados nas prateleiras (não atras de um balcão) que você entra em um dia ensolarado para tomar o café sem creme e relaxar. Me lembrou uma viagem á Campos do Jordão com minha digníssima, pontualmente a loja da Geléia dos Monges. Companhia? Precisa responder?

Obrigada, Fábio, por compartilhar tais experiências olfativas através de imagens e sensações com Aloucadosperfumes e todos os leitores!

Anúncios

Alchimie, Rochas

Lembram que contei sobre as amostras que recebi na semana passada? Então, olhem só que sorte: recebi DUAS amostras do Alchimie! Da Li e da Dri, alegria em dobro!
E eu estava tão curiosa por tal fragrância, desejando conhecer o conteúdo desse lindo frasco que parece a abóbora-carruagem da Cinderela, e que, claro, foi descontinuado…
Foi criado em 1998 por Jacques Cavallier, e o designer de seu frasco foi Serge Mandau.
Alchimie é um perfume lindo, complexo, rico, mágico. E confesso que fiquei um tempão tentando nomear suas notas olfativas, mas consegui identificar poucas. É tanta riqueza, tamanha profusão de odores que fiz um movimento contrário ao que geralmente faço: eu costumo sentir o perfume, anotar as notas olfativas que percebo. Depois vou ao Fragrantica ou outro site especializado, e vejo as notas que, de fato, existem no perfume e não na minha percepção.
Esse eu fiz o contrário. Olhei no Fragrantica e daí tentei ‘encaixar’ o que eu havia sentido com o que de fato existe.
Notas de saída: cassis, ameixa, mandarina, cássia, lilás, pêssego, pepino (oi?), jacinto, grapefruit, pêra, bergamota.
Notas de coração: coco, jasmim, heliotrópio, lírio-do-vale, rosa, glicínia, acácia-falsa (Robinia pseudoacacia).
Notas de fundo: sândalo, fava-tonka, âmbar, almíscar, baunilha, caramelo, alcaçuz.
E eu, humilde, que na saída havia sentido uma farta e saborosa salada-de-frutas com groselha (aquela em xarope mesmo), no coração algo cremoso e doce, porém mais delicado e menos gustativo que creme burlee, com algumas notas verdes e florais que não consegui nomear. No fundo senti avalanche de notas quentes, gustativas, ‘macias e mastigáveis’.
Na verdade, senti, o tempo todo, vontade de morder, mastigar, saborear o Alchimie.
Ele me lembrou da obra de William Shakespeare, “Sonho de uma Noite de Verão”. Titânia, Rainha das Fadas, deve cheirar assim…
 
Ficheiro:Joseph Noel Paton - The Reconciliation of Titania and Oberon.jpg
Joseph Noel Paton – “The Reconciliation of Titania and Oberon”, 1847.

 

 

Eau de Missions Cologne, Le Couvent des Minimes

Vamos falar da tal colônia! Comercializada em uma famosa rede de supermercados e em lojas virtuais, essa belezinha da marca Le Couvent des Minimes (o convento foi fundado em 1613, a marca surgiu em 2004) é de fato deliciosa!
A colônia presta homenagem as Irmãs Franciscanas Missionárias de Maria, que viveram no convento, e desenvolveram trabalhos humanitários principalmente em Madagascar, Indonésiae nas Américas.
Tais viagens são contadas através desta colônia que combina baunilha, plantas exóticas e aimagem de uma antiga paisagem de Java.
Notas olfativas: mirra, baunilha, centella asiática, benzoim, camélia, cedro.
O aroma é deliciosamente gustativo, medicinal, revigorante, delicado. Transmite grande sensção de conforto, tranquilidade. Tráz tanto conforto que parece que você acabou de comer uma fatia de bolo ainda morno com chá quente, feito pela sua mãe em uma tarde de outono… Bolo de baunilha, chá flores e frutas. 
A baunilha e as notas resinosas imperam. Mas ainda tem nela algo de verde, algo de flor, de mel, de lenha. 
Fixação média de 3 a 4 horas, bom demais para uma colônia. Agora que minha amostrinha está acabando, sei que vou ter que comprar um vidrão dessa delícia… 

Lembranças perfumadas…

Já falei sobre meu primeiro (e querido) perfume no Village Beauté.

Hoje acordei saudosista… lembrei de perfumes que usei na infância e na adolescência, e resolvi dividir minhas lembranças com vocês!

Lavanda Pop, Boticário: uma vez fui com uma amiguinha do prédio onde eu morava e sua família ao shopping, acho que era o Center Norte. Lá, as meninas mais velhas da família entraram em comboio no Boticário. Era moda, bacana, saía anúncio na Capricho! Lembri que acabei ganhando um frasquinho ânfora dos pequenos do Lavanda Pop. Era tão gostoso e eu me sentia tão moça usando ele… Notas olfativas: lavanda, alecrim, flor-de-laranjeira, cravo, gerânio, almíscar e cedro.
 
Innamorata: engraçado como O Boticário faz parte das memórias olfativas de tantos brasileiros. Qualquer dia conto a história dele aqui, não posso negar sua importância para a perfumaria nacional… Enfim, o Innamorata. Ganhei de um namoradinho (namorados da época SEMPRE davam tal perfume para as namoradas, era o apelo do nome, eu acho…). Adorava! Até hoje lembro do aroma dele com perfeição! Notas olfativas: flores brancas, camomila, narciso, notas frutais, jasmim, lírios, tuberosa, sândalo e almíscar.
Aliás, conhecem a história dos saudosos (e bonitos) frascos-ânfora do Boticário? Tudo começou quando o empresário Miguel Krigsner, então proprietário de uma botica na rua Saldanha Marinho comprou um lote com 70 mil vidros de perfume do Sílvio Santos. Pois é, o Homem do Baú havia desistido da idéia de abrir uma fábrica de perfumes (então a Jequiti é plano véio, heim…) e resolveu desovar seu estoque de frascos. Logo então surgiu a colônia ‘Acqua Fresca’ dentro de tais ânforas, e até hoje é um dos perfumes mais usados no Brasil e está no catálogo fazem mais de 30 anos. Devido ao sucesso, muitos outros perfumes da marca também foram embalados em tais frascos. Olha aí o Lavanda Pop e o Innamorata! 
 
 
Pretty Blue: usei essa colônia da Avon mais pro final da adolescência. Um amigo meu dizia que ‘Pretty Blue’ seria um bom nome para um bar onde tocasse blues e jazz. E só depois de muito tempo me dei conta que ele era uma imitação do Thaty, também do Boticário. E do famoso Thaty só tive um meio-frasco que uma amiga, enjoada dele, me deu. Notas do Azul Bonito: lavanda, notas verdes, rosas, almíscar.
 
E todas aquelas colônias de farmácia: Snoopy, Lavanda Jonhson’s, as tantas imitações do ‘Mamãe e Bebê’ da Natura? E as saudosas colônias que eu insistia que minha mãe comprasse nas Lojas Brasileiras e Americanas, das marcas Naturelle, Gellu’s, Dote… 
 
Bateu saudades. E mais uma: meu primeiro Giovanna Baby só tive aos 21 anos…

King Kong, Kenzo

Entre as amostras que recebi da Li, está o raro, descontinuado e exótico King Kong, da Kenzo.
Tal perfume foi o primeiro do designer japonês, foi criado em 1978 e eu diria que ‘mora’ na mesma selva que seus irmãos mais novos, o Tigre e o Elefante.
Quando recebi o flaconete, movida pela curiosidade logo passei no pulso e fiquei tentado adivinhar notas. Pensei logo em folhas de menta/hortelã amassadas, especiarias, bálsamos dourados, âmbar, madeira úmida e senti algo terroso que não soube dizer se era ou não patchouli, pois não era tão doce.
Quando li as notas reais do perfume, veio a surpresa: nada de patchouli (então o aroma de madeira úmida e a tonalidade terrosa devem ter vindo do musgo-de-carvalho), muitas especiarias, âmbar e bananas! E aí lembrei de uma passagem do livro ‘Clarissa’, do Erico Veríssimo, onde a personagem fica em dúvida quanto a qual fruta comprar na quitanda: morangos suculentos ou bananas descritas como pastosas e doces…
Pois é: bananas! Como bons primatas, Kong e eu gostamos.
No perfume aparece levemente licorosa, dourada. É o tal ‘bálsamo dourado’ de minha percepção. Parece o aroma de uma sensacional cachaça de banana que comprei uma uma loja de souvenir dentro do Horto Florestal, em Campos dos Jordão…
As especiarias e o âmbar nos levam ao tropical e deslumbrante coração dessa selva, onde existem animais, frutos e plantas nunca antes vistos. Tudo têm cheiros, cores e sabores tão intensos…
Notas: banana, especiarias, cravo-da-Índia, menta, notas verdes, musgo-de-carvalho, resinas, âmbar, rosa.
King Kong é intenso, latente, orgânico, pulsante. Tem uma sensualidade forte, indiscreta, instintiva. Com a evolução ganha um quê de couro, animálico. Suas especiarias e resinas são pura luxúria e fartura.
No começo achei o nome ‘King Kong’ meio sem pé nem cabeça, mas agora acho que ele não poderia ser mais adequado: forte, instintivo, intenso, apaixonado, viril, arquetípico.
Acho que me apaixonei por esse macacão…

Vanille Sauvage de Madagascar, La Maison de la Vanille

Baunilha, como eu gosto de você! Semana passada recebi uma série de amostras de amigas queridas, entre elas a Vanille Sauvage de Madagascar, da Dri Sama.
A marca La Maison de la Vanille, dona da coleção “All Vanillas of the World”, trouxe lá da exótica Madagascar (onde tradicionalmente é cultivada a orquídea) uma das baunilhas mais gustativas, cremosas e táteis que já senti!
É deliciosa!
Notas de saída: lavanda, bergamota.
Notas de coração: coentro, gerânio, ládano.
Notas de fundo: baunilha, sândalo, incenso, vetiver.
Juro que fiquei boba quando vi tantas notas olfativas na descrição de tal perfume! E eu que achava que o negócio era baunilha, heliotrópio, sândalo e um quezinho de praliné… Pelo menos acertei a baunilha e o sândalo né…
Então, o que sinto nele mesmo é a baunilha: achocolatada, morna, aconchegante, gustativa. Não acho que tenha cheiro de bolo ou de biscoito, como é comum em tais fragrâncias. Tem um aroma exótico, sensual, pulsante e convidativo! Parece mais uma bebida do que uma comida, dá pra entender?
Só me decepcionei um pouco com a fixção dele, na minha pele dura em média 3 horas, eu esperava mais.
Mas olha: La Maison de la Vanille, aceito prontamente seu convite para rodar o mundo conhecendo e degustando suas desejáveis baunilhas…