Dalal, Al-Rehab

E daí que a Carla comparou o Dalal com o Botrytis… Eu, que já era curiosa por ele tive um faniquito. O problema é que eu queria a versão em spray, e não o óleo que é fartamente disponível no Ebay…  Enfim, comprei o bonito aqui por míseros 6 dólares.

Direto ao ponto, Dalal é pura delícia, dá vontade de lamber! Tem caramelo, mel, baunilha, frutas cristalizadas com aquela casquinha pecaminosa de açúcar…

‘Inicia os trabalhos’ na pele com uma explosão de caramelo de bala toffee e casquinha de laranja (cristalizada, tudo muito docinho…). Aos poucos deixa escapar um fiozinho de mel que torna o perfume mais licoroso, mais sexy. Como explicar que algo tão doce quanto o mel deixa outra coisa tão doce como o caramelo mais branda, esfumaçada e adulta? Deu pra entender?

Sinto também frutas secas: das transparentes e das cobertas de açúcar, das murchinhas e das inchadinhas… tem um monte delas nadando na calda morna de caramelo e mel!

E tem a baunilha né? Mas olha, ela é coadjuvante do caramelo. Tá ali só para aumentar os níveis de glicose.

Sabe o que me trás a memória? Delicioso ninho de nozes da confeitaria árabe regado com mel diluído em água de laranjeira!

Ah, esses perfumes árabes e seus encantos…

Mestre Yoda, até tu?

A arte de Gregoire Guillemin colocou vários personagens da cultura pop (super heróis, personagens de desenhos, da Disney…) em situações cotidianas! São hábitos de higiene, alimentares, pequenas vaidades a até mesmo intimidades de tais personagens! Quem diria que um Smurf tomaria Viagra, ou que Ronald McDonald dá aquela ‘limpada no salão’? Quer ver a Mulher Maravilha sensualizando nas selfies ou Alice depilando as axilas? Gente como a gente, eles fazem tudo isso!

Mas o que mais me atraiu foi o Mestre Yoda deliciando-se com um Chanel N°5! Como resistir, né Yoda?

ioda

Visite mais obras aqui: http://www.greg-guillemin.com/

http://www.greg-guillemin.com/85780/1012746/gallery/the-secret-life-of-heroes

Musgo de Carvalho, Evernia prunastri

Evernia prunastri, é uma espécie de líquen, um fungo encontrado em florestas temperadas em todo o hemisfério norte. Como o próprio nome sugere, o musgo de carvalho cresce geralmente nos galhos e troncos de árvores de carvalho, mesmo que ele também pode ser encontrado em outras árvores de folha caducas e coníferas. Este líquen é espesso e seu formato lembra um pouco a forma de chifres de veado. Apresenta variações de cor, pode ser verde-menta, verde ou quase branco quando seco, ou verde-oliva e até amarelado quando molhado.

A extração dos líquens ocorre principalmente no Centro-Sul da Europa. Existem diversas variedades de líquens usados por suas qualidades aromáticas; em sua maioria, eles vêm do cedro (Marrocos), dos pinheiros e dos abetos (França). Os extratos não são tão refinados quanto o verdadeiro musgo de carvalho, porém eles são geralmente associados a ele.

O Absuloto pode ser obtido por extração com solvente ou destilação a vácuo. O obtido por extração com solvente é verde escuro ou até mesmo na cor marrom e tem um cheiro natural, forte, terramusgo com um leve tom de couro. O processo de destilação a vácuo um material aromático amarelo ou verde pálido com um aroma de terra e nuances amadeiradas.

É parte essencial de fragrâncias chipre e fragrâncias fougère.

O musgo de carvalho pode causar alergias dermatológicas em algumas pessoas, e segundo o IFRA (órgão que regulamenta as diretrizes para o uso seguro de produtos químicos aromáticos e óleos essenciais em perfumes), deve ser usado com extrema precaução. Regulamentos da IFRA indicam que os extratos de musgo de carvalho obtidos a partir de Evernia prunastri não devem ser usados em quantidade superior a 0,1%. Se a composição possuir outros extratos derivados de musgos de outras espécies, a soma das quantidades também não podem ultrapassar os 0,1%.

Por ser praticamente impossível compor um chypre sem o musgo, perfumistas tentam encontrar um novo extrato que seria olfativamente perto do aroma original, e ainda cumprir os regulamentos da IFRA. Seguindo as novas orientações, muitas casas de perfumaria têm reformulado seus perfumes épicas: Mitsouko e Parure (Guerlain), a exemplo. Porém, com uma pequena ajuda da ciência moderna, Thierry Wasser, famoso perfumista da Guerlain, encontrou sua maneira de preservar o aroma da versão original e evitar alterar a formulação drasticamente. A Guerlain agora usa musgo de carvalho que não tem a molécula específica proibida pelas normas IFRAAlguns outros perfumistas têm substituído musgo de carvalho, por patchouli e vetiver, enquanto outros usam materiais sintéticos que reproduzem o cheiro do musgo. 
É rica a mitologia em torno do Carvalho: muitas tradições em todo o mundo consideram o carvalho como uma árvore sagrada devido à sua robustez e majestosidade. Considerava-se que havia uma forte relação de poder com os céus pelo fato dos carvalhos atraírem os raios e, por esse motivo, controlarem os trovões e as tempestades. Na Idade Média, considerava-se que o carvalho tinha uma influência mágica sobre o tempo e a madeira de carvalho fazia parte das poções da feitiçaria que provocavam trovoadas e tempestades.
Era a árvore de Zeus, na Grécia, de Júpiter, em Roma, e de vários outros deuses do Norte e do Leste da Europa. O bosque da deusa Diana estava cheio de carvalhos que eram também o símbolo da deusa. As coroas que homenageavam os soldados romanos pelos seus feitos nas batalhas eram feitas de folhas de carvalho e bolotas.
O carvalho tem uma grande relevância na simbologia bíblica: Abraão recebeu as revelações de Deus junto a um carvalho, tanto em Hébron como em Siquém. O Antigo Testamento mencionava também que a morada de Abraão em Hebrón era junto a um frondoso carvalho.
Ulisses, na Odisseia, consulta o carvalho de Zeus no seu regresso a casa. Plínio, o Velho, mencionou os druidas celtas relacionando o seu nome com o nome celta de carvalho, duir, e por isso passaram a ser conhecidos posteriormente como “homens de carvalho”. Esta comparação devia-se ao fato dos druidas serem considerados homens de sabedoria e força, qualidades também atribuídas ao carvalho. Os celtas assumiram o carvalho como uma divindade e um símbolo de acolhimento ou lar e também uma espécie de templo, dado o seu forte tronco e os seus ramos e folhagens espessos. Por esta razão, na Irlanda, as igrejas eram chamadas de dairthech, “casas de carvalho”.

Sortilege, Long Lost Perfume

A marca Long Lost Perfume, de Irma Shorell, recria perfumes famosos no passado, tais como My Sin de Lanvin, Crepe de Chine de Millot, Sortilege de Le Galion etc.

A Long Lost afirma utilizar as fórmulas originais destes perfumes, no caso do Sortilege, criação do nariz Paul Vacher, em 1937. A questão é que a marca original do perfume, a Le Galion, que nos anos 80 encerrou suas atividades, retornou em 2014 ao mercado com seus grandes sucessos do passado, inclusive o Sortilege.

Bom, especulações sobre o futuro da recriação da Long Lost Perfume a parte, conto que nunca tive a oportunidade de sentir o Sortilege de 2014 e muito menos o antigo de 1937…

Adquiri no Ebay uma miniatura de 15ml da versão Long Lost Perfume, pois tenho grande curiosidade (e amor) por perfumes de épocas distantes.

Ele é datado, daqueles que chama-se por aí de ‘perfume de avó’. Lembra algo do Chanel °5, algo do First. E tem muito do Mistouko, sem o aspecto característico do guerlinade. Tem um ‘quê’ chypre, antiquado e delicioso, me senti nos anos 40!

Floral aldeídico potente, possui um bouquet floral intenso e complexo, eu não consegui identificar muitas notas na saída e no coração. Senti rosas, ylang-ylang, jacinto, todos na forma rococó de ser…

As notas de fundo são incensadas, percebe-se com clareza o opoponax, seguido do verde-terroso do vetiver e do verde-amarguento-úmido do musgo de carvalho. Depois de umas 4 horas aparecem notas sutilmente adocicadas, coisa de âmbar, tonka e sândalo.

Sortilege, em todas as etapas de sua evolução, apresenta aldeídos e não deixa, nem por um segundo, de ser datado, ‘vintage’.

Notas de saída: flor-de-laranjeira, pêssego, bergamota, aldeídos.

Notas de coração: jasmim, ylang-ylang, íris, rosa, lírio, violeta, lilás.

Notas de fundo: vetiver, sândalo, almíscar, opoponax, musgo-de-carvalho, fava tonka, baunilha, estoraque, âmbar.

Aos amantes da antiga perfumaria, um deleite!

Abaixo, anúncios antigos do Sortilege da Le Galion…

   

   


			

Poudre de Riz, Huitieme Art Collection, Parfumerie Générale

Ganhei da amiga Andréa Faria um monte de amostras luxuosas! Perfumes para sonhar, um melhor do que o outro! Hoje vou falar do Poudre de Riz, (coleção Huitieme Art) da Parfumerie Générale.

Deuses, que íris! Nunca senti tão viva! Parecia que estava ali, na minha frente, porções de precioso Absoluto de Íris (que nunca vi, nunca senti, mas imagino que seja assim)! Depois de algum tempo surge algo amendoado, adocicado e exótico. Lembrei de marzipan…

Encontrei também flores de pétalas acetinadas e cerosas, seria tiaré? Ou seriam jasmins e gardênias elegantes, que somente passaram na festa para cumprimentar a anfitriã Iris?

Depois de 2 horas na pele, senti algo que me lembrou vagamente do Kenzo Amour, acho que é o efeito verde-terroso-adocicado do arroz. E eu, que achei uma gotinha de escuro patchouli em Poudre de Riz descobri que era arroz… Leite de arroz, é isso!

As notas de fundo são balsâmicas, resinosas e adocicadas. Tem incenso, madeira e seiva sagradas misturada a um mundano caramelo-menino travesso, pouco doce, desses que já encontramos em outras criações classificadas como masculinas.

E o mais incrível, mesmo como outras notas olfativas marcantes e que nos prendem a atenção, a íris continua soberana! Todo o resto gira ao seu redor e lhe empresta nuances!

Criado em 2012 por Pierre Guillaume, suas notas olfativas são: tiaré, leite-de-coco, baunilha, arroz, xarope maple, caramelo, sândalo, íris, cedro, tonka, benzoim, bálsamo tolu, rosa damascena.

Poudre de Riz, eu sei que vou te amar, por toda minha vida vou te amar…

Cabotine Fleur Splendide, Gres

Mais um aluno da escola Flowerbomb (aliás, que escola cheia heim?). Floral frutal com ares gourmand, embora não conste nada gustativo em suas notas olfativas oficiais. A classificação dele, segundo o Fragrantica, é o Chypre Floral. Desculpa, mas não vejo nada de chypre aqui…

Começa com notas frutais suculentas, pêssego fantasioso de bala mastigável. Logo chegam rosas e jasmins cobertos de algo doce, entre o praliné e pirulito do Chaves, lembra?

Como tudo que me lembra esses pirulitos e doces em geral me agrada, gostei do Fleur Splendide…

Finaliza com o lado doce do patchouli, o lado cremoso do musk e o lado confortável do âmbar.

Não tem nada inovador, não entrega nenhuma surpresa, mas é excelente para quem gosta de perfumes doces e não abre mão nem mesmo no verão! Apesar de ser intenso, recebi elogios ao usar em dias quentes e ninguém no ônibus ficou fazendo careta ou espirrando. Acho engraçado que qualquer gota de perfume causa comoções no ônibus. Gente com suvaco azedo e celulares tocando funk não tem esse poder não…

Enfim, ele é bem gostosinho, fixa bem, agrada as multidões e é relativamente barato! Quer mais? Pega aqui um docinho!

Criado por Mylene Alran, da Robertet.

Notas de saída: bergamota, pêssego, frésia.

Notas de coração: rosa, jasmim, sândalo.

Notas de fundo: patchouli, âmbar, almíscar.

Imagem: http://noivademel.com.br/tag/buque-de-noiva/page/2/

Perfumes e Felicidade!

“Dinheiro não trás felicidade, mas compra perfumes, que é a mesma coisa’. (anônimo, meme do Facebook)

A verdade é que perfumes no geral me fazem feliz! E hoje a ‘Mesa Redonda dos Blogs Perfumados’ vai falar de perfumes que trazem felicidade!

Não vou falar de perfumes em si, mas fatos relacionados a eles que me animam:

1 – Receber aquela aguardada encomenda rápido e sem taxas! Gente, fala sério, ler no rastreamento dos Correios a mística frase ‘saiu para entrega’ é mágico! É raro, mas acontece!

2 – Descobrir um novo perfume, ou redescobrir algum que estava encostado lá no fundo do armário! Por isso sempre digo: mesmo que você não tenha gostado de uma perfume em um primeiro momento, espere e dê outra chance a ele! Já tive boas surpresas e felizes reencontros, como aconteceu com o La Perla J’ Aime La Nuit.

3 – Tirar alguns momentos para organizar, limpar, observar e cheirar todos os seus perfumes! Valorize o que possui, não fique apenas desejando mais e mais. Já repararam como as prateleiras das lojas físicas são bem organizadas, com tudo brilhando? Organização é comodidade e beleza!

4 – Amostras! Não aqueles esdrúxulos saquinho com micro lencinho perfumado (aquilo é uma afronta aos consumidor), mas os flaconetes! Nada melhor do que isso para conhecer novos perfumes e planejar suas compras!

E tem mais! Você sabia que a Aromaterapia diz que alguns aromas tem o poder de nos trazer energia, alegria e bom humor! Alguns deles: laranja, rosa, jasmim, coentro, cravo, gengibre, canela, ylang-ylang, camomila, bergamota, limão e gerânio.

E tirando os perfumes, quais cheiros me deixam feliz? Cheiro de casa limpa, de terra molhada, do preparo de alimentos, livro velho e livro novo, de maresia misturada com protetor solar (embora não goste tanto assim de praia), dos meus bichos de estimação (sim, amo o cheiro do meu cachorro), o cheiro da pele do meu amado, dos nossos travesseiros…

felicidade

E como nos questiona o jingle do Pão de Açúcar:

‘O que faz você feliz?
você feliz o que faz?
você faz o que te faz feliz?
o que faz você feliz, você quem faz?’

Visite os amigos: O templo dos PerfumesParfumeé, Perfumart, Perfume Bighouse, Vanmulherzinha, Village Beauté, Le Monde est Beau.