Bal a Versailles, Jean Desprez

Imagem

Pense em um baile de máscaras na época do Renascimento… Damas empoadas, vestidos amplos, anquinhas, leques, perfumes fortíssimos, perucas e muita sujeira. Sim, você leu corretamente, sujeira. 
Agora pense em Lorde Byron e sua casaca de pelica. Ele está em uma taverna bebendo conhaque temperado com favas de baunilha mofadas (mo-fa-das). E tal taverna fica em frente a um prostíbulo.
Imaginou os dois cenários? Então você está na atmosfera de Bal a Versailles.
 
Bal_a_Versailles_2anna anderson
 
 
É um perfume “sujo”, pesado, obscuro. E ao mesmo tempo é excepcional e impressionante! Foi criado em 1962 por Jean Desprez, utilizando dos ingredientes e matérias primas mais caras e raras da época.
Bal a Versailles tem um opulento bouquet floral, notas acentuadas de couro, um quê animálico e uma aura resinosa/esfumaçada. Muitos vão odiar, achar com cheiro “de vó” ou com cheiro de “ritual vudu” (essa definição foi uma das mais engraçadas que já ouvi). Eu admiro Bal a Versailles pela estranheza, pela opulência e pela construção mesmo. Como alguém ousou misturar tantas notas dramáticas em um mesmo perfume?
Notas de saída: alecrim, flor-de-laranjeira, mandarina, cássia, rosas, neróli, jasmim, bergamota, rosa da Bulgária, limão.
Notas de coração: sândalo, patchouli, lilás, raiz de íris, vetiver, lírio-do-vale, ylang-ylang, couro.
Notas de fundo: bálsamo Tolu, âmbar, musk, benzoim, civeta, baunilha, cedro, resinas.
Com tantas notas potentes, Bal a Versailles é até confuso. Sinto as notas de couro, resinas, do bálsamo Tolu, o toque melífluo das flores, os tons amadeirados e da raízes. E ainda tem um quê de bebida, de conhaque ou brandy. A nota animálica da civeta dá o tom “sujo” do qual falei antes, o transforma em um perfume bruto, sem lapidação e delicadeza. 
Era o perfume predileto e assinatura olfativa do Michael Jackson, que mantinha um estoque de vidros em sua residência. Figura também entre os preferidos de Elizabeth Taylor, Joan Collins, Jacqueline Kennedy Onassis, Olivia de Havilland e Rainha Elizabeth (segundo informações do site da fragrância – http://www.jeandesprez.com/pastandpresent.html)
Não é para olfatos sensíveis. Não é diurno. 
É “trevoso”, unissex, opulento, místico e transita entre as fronteiras de um perfume sublime ou de um perfume insuportável. É borderline. Depende do dia, depende do clima, do ambiente. 
Se eu gosto do Bal a Versailles? Sim. Na minha pele destacam-se as notas de couro e as notas doces. Como se eu estivesse usando uma velha, gasta, mofada jaqueta de couro que ficou guardada junto com alguma bebida alcólica forte. Sem esquecer das favas de baunilha guardadas nos bolsos. 
Sei que a resenha está confusa, mas como falar de Bal a Versailles sem se confundir ou se equivocar?

 

Sunflowers, Elizabeth Arden

Imagem

Pense em uma tarde de sol, mas nada escaldante. Brisa, um campo cheio de flores primaveris… Se tal tarde tivesse um cheiro, elegeria Sunflowers, de Elizabeth Arden. Para mim é uma fragrância solar, fresca, energizante!

Foi criado em 1993 por David Apel, e sua campanha publicitária não explorava a sensualidade, e sim a feminilidade plena da relação materno-filial.

Faz tempo que não vejo tal inspiração na publicidade de perfumes, o que é uma pena. O que mais transmite sensação de conforto e amor do que tal relação? Mas talvez esse não seja o foco dos perfumes atuais…

Sunflowers é luminoso, tranquilo, limpo e delicioso! Adoro o cheiro de frutas sumarentas, as flores diurnas em pleno desabrochar!

Notas de saída: flor-de-laranjeira, melão, mandarina, bergamota, limão, pau-rosa, pêssego.

Notas de coração: ciclamen, raiz de íris,  jasmim, rosa, osmanthus.

Notas de fundo: sândalo, musk, âmbar, musgo-de-carvalho, cedro.

Tem o espírito dos perfumes dos anos 90: um quê aquático, notas frutais (a nota doce-aguada de melão ou melancia), a inocência quase andrógina. Muitos o comparam ao Escape (Calvin Klein), e vejo semelhanças sim, porém, Sunflowers é mais fluído e delicado, suas notas florais são menos marcantes. 

Perfume para dias felizes, descompromissados e leves! Perfeito para nosso clima!

 

Je Reviens, Worth

O perfume da minha mãe… Ela, que nos idos dos anos 50/60 bancava a alquimista e misturava o Je Reviens com a extinta colônia Regina (não cheguei a conhecer), para se diferenciar das demais! Jura até hoje que ficava incrível, o perfume perfeito! E ainda fala que era assim: um vidrinho pequeno do Je Reviens com um vidro grande da colônia Regina. Misturava com cuidado e voilá: tinha o perfume exclusivo!

Engraçado como um perfume pode evocar tantas lembranças… convivi com ele durante toda a infância, e recentemente presenteei minha mãe com um frasco. Mas o que me lembro mesmo é do antigo frasquinho redondo na pequena caixinha azul!

E ainda mais, acabei de comprar a versão da embalagem Boule para mim. Ela faz alusão ao vidro criado por Rene Lalique em 1924 para a fragrância Dans la Nuit, também da Worth.

Agora, se me perguntarem se eu gosto do aroma deste marco da história da perfumaria, eu vou enrolar e não vou responder: nem eu sei. Ele é datado, é um floral tipícamente aldeídico, intenso, de alta projeção e me mata de dor de cabeça. Mas o cheiro dele… deve ser por causa das memórias da infância, me atrai e encanta.

Foi criado em 1932 por Maurice Blanchet e foi reformulado em 2004. O nome Je Reviens pode ser traduzido para “Eu vou voltar”. Foi um presente muito comum de soldados que partiam para lutar na 2ª Guerra Mundial para suas namoradas, segundo informações do site da Worth. Não é lindo e triste? Morreria de chorar se fosse donzela casadoira em tal época e recebesse um desses.

Como sempre digo, perfume é história, são retratos de épocas e costumes…

Família olfativa: floral aldeídico

Notas de saída: aldeídos, flor-de-laranjeira, jasmim, ylang-ylang, bergamota, limão.

Notas de coração: narciso, lilás, íris, jacinto, cravo (a flor), ylang-ylang, rosas.

Notas de fundo: sândalo, fava-tonka, âmbar, almíscar, violeta, musgo-de-carvalho, vetiver, incenso.

Je Reviens é vintage! E agora uso o termo do qual tenho certa aflição (afinal, tudo que tem ares antigos é vintage: mesmo que seja uma porta-guardanapos fabricado na China em 2012 com estampa da década de 50 de refrigerante famoso). Tem cara de antigo, embora seja de fabricação moderna, é vintage!

Voltando ao Je Reviens. Nele sinto os jacintos, o cravo, as rosas. As notas florais são bem evidentes (como deve ser um floral aldeídico). Sua evolução é rápida, e logo ele se torna adocicado e melífluo. Depois as notas mais “secas”, como o musgo-de-carvalho e o vetiver pedem passagem e se apresentam, dividindo o espaço com a notas adocicadas. Nesse momento a harmonia de Je Reviens é linda! Como em uma dança, cada hora um aspecto se evidencia mais e o casal doce-seco é gracioso e preciso!

Pela história, pelo contexto, pelas lembranças, amo Je Reviens. Continue voltando, sempre será bem vindo!

 

 

Gardênia (Gardenia jasminoides)

A gardênia (Gardenia jasminoides) é uma planta ornamental da família das rubiáceas, também chamada de jasmim-do-cabo. De origem chinesa, é um arbusto que pode atingir até dois metros de altura.

No início da primavera, a gardénia começa a cobrir-se de flores brancas e perfumadas. O seu perfume já inspirou até boleros e rendeu-lhe o nome popular de jasmim-do-cabo, mesmo não sendo uma espécie da família dos jasmins.

O nome gardênia foi atribuído a este género em homenagem ao botânico americano Alexander Garden. Existem cerca de 250 espécies conhecidas como gardênia, porém a mais cultivada e famosa é a Gardenia jasminoides, por vezes chamada Gardenia augusta.

A gardênia produz folhagem verde escuro e brilhante, com o detalhe de que as folhas não caem durante o inverno.

A gardênia simboliza a harmonia, amor e graça. Infelizmente, nenhuma das tentativas para produzir um óleo essencial natural teve sucesso, por isso na indústria de perfumes, só é possível de ser utilizado como um extrato seco da flor, um análogo sintético, ou por mistura de outros óleos essenciais que imitam o aroma natural de gardênia.

A gardênia é uma planta de rica em fragrância e sua utilização deve aproveitar esta sua qualidade. Quem nunca se deixou invadir pelo cheiro de tal arbusto carregado de flores?

Conheço uma senhora que mora em um sítio e planta gardênias. Ela diz que com elas se lembra de sua terra natal, a Bahia, pois segundo ela, lá usavam tal flor para fazer colônias e água-de-cheiro. Não achei nada sobre tal produção, alguém saberia alguma coisa?

Sobre a água-de-cheiro utilizada na Lavagem do Bonfim, li que ela é preparada com  folhas perfumadas maceradas em água, e em alguns casos pode-se acrescentar água de lavanda ou alfazema.

 Alguns perfumes com notas de gardênia:

Pure Poison – Dior

Crystal Noir – Versace

Gardenia  – Elizabeth Taylor

Marc Jacobs Splash Gardenia – Marc Jacobs

Gardenia Passion – Annick Goutal

Organza  – Givenchy

Belle D’Opium – YSL

Lady Million – Paco Rabanne

24 Faubourg – Hermès

Diorama – Dior

Cruel Gardenia – Guerlain

Animale Temptation – Animale

Fantasy, Britney Spears

https://i1.wp.com/fimgs.net/images/secundar/o.366.jpg

Taí um sucessor pro Angel em termos de quantidades de contratipos e cheirinhos “inspirados”!!! Que sucesso o Fantasy! Atingiu mulheres de todas as idades! Trabalho no centro da cidade e não há um dia em que eu ande na rua e sinta o cheirinho do Fantasy ou similares.

Bom, eu não tenho tal perfume, ganhei 3 amostrinhas e uso quando quero sensação de calor, conforto e doçura. Pra mim Fantasy tem cheiro de boneca, de casa da Barbie novinha misturada com a antiga coleção Moranguinho, todas juntas (lembram dela?)!

Talvez tenha sido essa “a graça” do Fantasy: doçura inocente e sensual, bem menina-moça. Quase um fetiche infantilista…

Foi criado em 2005 por James Krivda. A embalagem rosa apresenta aplicações de cristal Swarovski. Mais “girlie” impossível! A caixa também é bonita. Um convite, daquelas que você deseja ter porque é bonita.

Notas de saída: kiwi, lichia, marmelo.

Notas de coração: chocolate branco, orquídea, jasmim.

Notas de fundo: musk, raíz de íris, notas amadeiradas.

Surpresa! Mesmo sendo um dos supra-sumos da família flora frutal gourmand, ele não possui baunilha em sua formulação!

Acho que é um perfume bem estruturado, surpreendente, gostoso! Só precisa tomar cuidado na hora da aplicação, do contrário ele fica enjoativo e agressivo, eu diria que até mesmo vulgar.

As notas mais evidentes em minha percepção são o chocolate branco, as notas frutais, com destaque para a breve brincadeira azedinha-doce do kiwi e da lichia. O marmelo aqui me lembra de uma boa lata de marmelada mesmo, até mesmo porque nunca vi a fruta ao natural.. A nota de orquídea é bem clara, e me lembra a Oncidium Sharry Baby (orquídea chocolate).

Foto das flores

E mais uma vez eu aplaudo a coleção Britney Spears!

Aqva Pour Homme Marine, Bvlgari

Vou falar dele porque é o preferido do meu marido. E porque eu queria loucamente que um dia a Bvlgari resolvesse lançar um “Pour Femme” de tal perfume! Mas acho que não, então fico feliz em cheirar o cangote do meu amado e feliz quando ele dá uma borrifadinha dele no meu braço…

O perfume foi criado em 2008 por Jacques Cavallier, e tem como irmão mais velho o Aqva Pour Homme e por caçulinha o Aqva Pour Homme Marine Toniq (que nome comprido, não?).

O Aqva Marine (vamos chamar assim?) é lindo! É o perfume de Poseidon e seus tritões! É cheiro de água, marinha ou doce, eu diria que as duas juntas. É tão limpo, tão revigorante, tão oceânico! E vou dizer, eu não sou a fã número um de notas oceânicas ou aquáticas, mas essas… são muito bem orquestradas!

Notas de saída: neróli, grapefruit, mandarina, petitgrain

Notas de coração: alecrim, notas aquáticas, Posidonia oceanica (espécie de grama marinha que é endêmica para o Mar Mediterrâneo. Tal planta marinha é considerada de grande importância para a conservação ambiental da região. O fruto é livre e flutuante conhecida na Itália como “o olival do mar”. Bolas de material fibroso da folhagem da planta, conhecida como egagropili, são usados para limpezas gerais).

Notas de fundo: cedro da Virgínia, âmbar.

O que me impressiona ainda mais em tal perfume é sua fixação e projeção! São excelentes!

Quando borrifo tal perfume na pele, imagino que Netuno – com suas águas mornas ou frias (sim, suas notas aquáticas as vezes são mornas e aconchegantes, outras vezes são frias e revigorantes), e suas algas verdes e translúcidas – está por perto… E posso estar ficando louca, mas tem bem ao longe, quase despercebido, um toque metálico e alcalino em tal perfume. Vem todo sutil, mas está lá. Deve ser o material do Tridente…

Mesmo sem ter nenhuma nota de cunho altamente viril, ele é masculino. É de uma masculinidade segura de si, vaidosa e envolvente. Sem ter que provar nada a ninguém, sabe?

Enfim, Aqva Pour Homme Marine é uma sinfonia marítima!