Calandre, Paco Rabanne

Achou que só ia ter nova resenha em 2015, heim? Que nada! Faz tempo estou para falar do Calandre, vindo da gentil e querida Priscila!

Calandre é o perfume futurista mais antiquado que já senti. Não. Ele é o perfume antigo mais futurista que já senti. Ou, como diria a turminha do Chaves, ‘as duas coisas…’

Calandre inicia com uma avalanche luminosa de aldeídos e depois fica com cheiro de creme, pasta ou pomada de flores. Aquela coisa de pétala cerosa esmagada entre os dedos, deixando a pele umedecida com um cheiro entre o ‘verdoso’ amargo e a doçura intoxicante de um buquê de flores frescas.

Ainda sinto uma coisa meio vítrea, pontuda, transparente e quase cortante. Não sei explicar direito, mas Calandre tem algo assim, cristal mergulhado na água corrente coberto de uma camadinha de lodo…

As notas de base são delicadas em comparação aos explosivos florais e aldeídos da saída e coração.

Sinto a mistura do vetiver e musgo de carvalho salpicados pela leitosa doçura do sândalo.

E é agora que posso observar toda beleza do cristal Calandre… Os aldeídos enfim repousam, as flores atingem plenitude e maturidade, não mais gritam disputando a atenção e criam uma deliciosa e cremosa harmonia floral-verde. As notas ‘terrenas’ de sua base, o vetiver e o musgo-de-carvalho dão misteriosa profundidade a uma composição até então tão clara e luminosa!

Que viagem, Calandre! Olha as coisas que me fez escrever!

E não acabou… Sabe o que mais me faz pensar? Nos icônicos andróides nos anos 80: Blade Runner, Super Vicky, Dorfe

Concluí então que: estou velha. E que preciso urgentemente de um Calandre…

Foi criado em 1969 por Michel Hy.

Notas de saída: aldeídos, notas verdes, bergamota.

Notas de coração: rosas, jasmim, gerânio, lírio-do-vale, raiz de íris.

Notas de fundo: almíscar, sândalo, âmbar, musgo-de-carvalho, vetiver.

Diz a lenda que a inspiração para o design do frasco de Calandre vem da grade do radiador do icônico automóvel (porque não é um carro, é um automóvel!) Rolls Royce!

Aloucadosperfumes em 2014!

Seguem os números do blog em 2014!

Obrigada a todos amigos e leitores do blog, sem vocês isso não teria acontecido! Que venha 2015, e que ele seja iluminado e perfumado para todos nós!

Aqui está um resumo:

O Museu do Louvre, em Paris, é visitado todos os anos por 8.5 milhões de pessoas. Este blog foi visitado cerca de 140.000 vezes em 2014. Se fosse o Louvre, eram precisos 6 dias para todas essas pessoas o visitarem.

Clique aqui para ver o relatório completo

Um Natal Feliz e Perfumado…

… é o que deseja Aloucadosperfumes! Que seja um dia de luz, independente de suas convicções religiosas ou hábitos!

Que seja um dia de união, de fartura, de amor, fraternidade e diversão!

E ficam com vocês os antigos e sinistros Papais Noéis da Cashmere Bouquet e da Perfumes Lundborg’s!

Não se esqueçam de participar do nosso Sorteio!

 

Fonte da imagem: http://www.inspirationrealisation.com/2011/12/repurposed-christmas-ornaments.html

Sorteio de Natal!

Aloucadosperfumes e a Ego in Vitro vão dar um presente para você, que acompanha o blog! Vamos sortear 5 (não um, são 5!!!!) exemplares do livro “202 Perfumes Para Provar Antes de Morrer – Edição Masculina”, do Daniel Barros! Um super lançamento que você não pode perder!

book

Para isso, preencha o formulário abaixo com seu Nome e Email (desça a barra de rolagem da imagem até o final). O sorteio acontecerá dia 05/01/2015 e os vencedores serão anunciados aqui e na página do Facebook. Os livros serão enviados via correio!

Não é pré-requisito para participar, mas se você puder (e quiser), divulgue o link do sorteio para seus amigos!

Conheça as páginas do Blog e da Ego in Vitro no Facebook:

https://www.facebook.com/Aloucadosperfumes?ref=bookmarks

https://www.facebook.com/egoinvitro?fref=ts

Boa sorte!!!

Kelly Calèche, Hermès

Dizem os sites especializados: o perfume foi criado por Jean-Claude Ellena como uma interpretação da memória de uma visita ao armazém de peles da Hermès. Expressa o encontro de dois emblemas Hermès: Kelly, a bolsa de mão de couro e Calèche, o clássico perfume da marca. Kelly Calèche evoca um fascínio indomável, um espírito livre, uma carícia inesperada de couro entre a harmonia floral.

grace kelly bagEis a bolsa, que leva o nome da atriz e princesa Grace Kelly!

A questão é: desde que o Dênis apresentou-me ao Cuir de Russie, ganhei uma paixão pelo couro como nota olfativa. De couro, esteticamente falando, sempre gostei. Sabe, heavy metal, Harley Davidson, amigos góticos… e o PETA que nos castigue.

Kelly Calèche é uma dama de bons modos, porém cheia de atitude. Sabe o que quer, é segura de si, auto-suficiente. Se for preciso dança uma valsa, se for preciso troca um pneu, tudo sem fazer alarde.

Mistura lindamente a agressividade/eroticidade/classe do couro com notas florais bem equilibradas e quase frias… O couro dá ‘sinal’ já mas notas de saída, como se estivéssemos abrindo uma bolsa ou um calçado novinho de sua embalagem original! Trás junto algo cítrico, lembrei de cascas fininhas de lima da pérsia.

O coração é um floral pálido de enorme elegância! Rosas e flores brancas comedidas, quase indiferentes! E sempre trajadas em couro, essas flores-amazonas!

Bem no final aparece algo de apelo boudoir, polvoroso, róseo! É a íris cremosa, como se uma pomada tivesse sido usada sobre tal peça de couro para torná-la ainda mais macia e fácil de moldar ao corpo.

Só gostaria que projetasse mais! Sou dessas, exibida! Mas se fosse assim, talvez nem carregasse tanta classe e fetiche. Melhor ficar como está, Kelly Calèche, minha Amazona moderna!

 

Notas de saída: lírio-do-vale, narciso, grapefruit.

Notas de coração: tuberosa, rosa, mimosa.

Notas  de fundo: íris, couro.

 
 
 
 
 
 
 

Perfumes da Realeza! – Mesa Redonda dos Blogs Perfumados

George não gosta da proximidade com o povão

E hoje a Mesa Redonda dos Blogs Perfumados está cheia de rapapés! Vamos falar de realeza, nobreza, gente da alta, sangue azul!

Antes de iniciar, vou listar aqui 3 post antigos do blog que falam sobre tal assunto! São eles:

Exposição ‘Perfume de Princesa’

Catarina de Médicis, Luís XV e Imperatriz Josefina

Curiosidade: Guerlain e as Abelhas

Mas enfim, escolhi falar das preferências perfumadas da eterna Princesa Diana afinal, toda Diana é encantadora e modesta…

Lady Di usou 24 Faubourg por Hermès, como seu ex-mordomo Paul Burrell observou em suas memórias. Para o dia do casamento ela escolheu Quelques Fleurs, uma criação floral de tuberosa, jasmim e rosa, lançado em 1912 pela Casa Houbigant. Foi borrifado perfume em todo seu vestido de casamento.

Ao longo da vida também usou DiorissimoArpege, Penhaligons Bluebell. Depois de sua morte, a casa Creed criou um perfume especial em sua honra: Royal Water.

Outras fontes ainda afirmar que o preferido da princesa era mesmo o Eau du Soir, da Sisley.

E seu perfume de rainha/rei, qual é?

Leia mais sobre os cheiros preferidos da realeza em: http://www.stylist.co.uk/beauty/the-royal-familys-favourite-perfumes

Visite os amigos: 1 narizBlog da Helen FernandaLe Monde est BeauPimenta VanillaOdorataparfumsO templo dos Perfumes, Parfums et Poesie, Parfumeé, Perfumart, Perfume Bighouse, Vanmulherzinha, Village Beauté.

Livro “202 Perfumes Para Provar Antes de Morrer” (masculinos), por Daniel Barros