Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 3

Durante seu reinado, a rainha Hatshepsut enviou uma expedição a Punt (a moderna Eritréia) e de lá trouxeram bens preciosos como ébano, marfim, ouro e incenso. Aparentemente a expedição trouxe árvores de mirra, que foram plantadas nas redondezas do templo funerário da rainha.

Resultado de imagem para hatshepsut

Na tumba do faraó-menino Tutancâmon foram encontrados óleos perfumados de cedro, olíbano, mirra, coentro. Eram tanto utilizados nas bandagens que envolviam seu corpo quanto preservados em jarros de alabastro específicos para tal fim, os chamados Alabastrons.

Resultado de imagem para alabastrons tutankamon

Dentro de tais frascos (riquíssimos, aliás: urnas incrustadas com ouro, potes de cerâmica delicada e calcedônias) os unguentos e óleos eram preservados por muito tempo. Pesquisadores encontraram em um dos jarros da câmara mortuária do faraó um unguento poderia ser recriado da seguinte forma, atualmente.

Perfume de Tutankhamon:

Um quarto xícara de óleo de coco

6 gotas de óleo essencial de nardo

6 gotas de óleo essencial de olíbano

A recriação historicamente correta de unguento precioso de Tutankhamon pode envolver gordura de ganso para a base. A versão mais palatável para o gosto moderno pode ser o óleo de coco.

O ungüento perfumado encontrado na tumba de Tutancâmon era de natureza sólida. Observadores da época citam o aroma similar ao óleo de coco e também lembrando o cheiro de valeriana (Valeriana officinalis).

O perfume foi analisado em 1926 e verificou-se consistir de gordura animal e de uma resina ou bálsamo. Na época eles eram incapazes de ser mais específicos. No entanto, o componente perfumado primário é acreditado agora para ser primo de valeriana, o antigo e precioso nardo (Nardostachys jatamansi).

Imagem relacionada

A reputação do nardo é antiga. É um ingrediente em algumas fórmulas para Kyphi, o famoso perfume sagrado egípcio. O nardo também foi um componente do incenso sagrado oferecido no Templo judaico de Jerusalém. Ele é mencionado nada menos que três vezes no Cântico de Salomão.

Continua…

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 2

Resultado de imagem para egypt antique temple perfume

Chegamos então no Antigo Egito. Os perfumes egípcios eram na forma de óleos e unguentos, eram bem diferentes do que hoje conhecemos como perfumes.

Tais produtos tinham importância religiosa, medicinal e cosmética. Olíbano era queimado ao nascer do sol para o Deus Rá e ao anoitecer mirra era queimada como oferta à Lua.

Sendo o perfume algo voltado aos Deuses e ao Faraó, sua personificação na Terra, existiam laboratórios produtores dentro dos templos. Era comum a queima de incensos e o uso de óleos perfumados para honrar estátuas sagradas.

Vamos falar um pouco sobre o Deus Nefertum (ou Nefertem), divindade da cidade de Mênfis, deus solar da cura, beleza e dos perfumes, de acordo com um mito de criação egípcio, Nefertum teria surgido de um botão azul de lótus, tornando-se “aquele que traz a luz”, o primeiro raio de sol.

Tem como adorno na cabeça uma flor de lótus e seu nome significaria, de acordo com os vários autores, “Lótus”, “Perfeição absoluta” ou “Atum, o belo”.

Resultado de imagem para nefertem god

Acredita-se que Nefertum possa ser a criança que, ao amadurecer, se torna o deus Rá. Ou então, seria a flor sobre o nariz desse Deus, perfumando e iluminando seus caminhos. No Livro dos Mortos está escrito: “Levanta-te como Nefertem do lótus azul, para as narinas de Rá, o deus solar criador, e saia no horizonte a cada dia.”

É considerado patrono da arte cosmética, das plantas curativas (inclusive das narcóticos e afrodisíacas) e da aromaterapia. Por ser o raio de sol de todas as manhãs, também era associado ao renascimento e, portanto, patrono de vários ingredientes utilizados no processo de mumificação.

Assim sagrado e do agrado das divindades, o perfume era muito utilizado nos ritos de mumificação, sempre de olho na eternidade e em ser reconhecido (e querido) pelos Deuses. Quando o desencarnado chegasse em sua nova morada sua alma seria reconhecida através de seu perfume.  Resina de pinheiro, mirra, cássia, cedro, olíbano, eram utilizados nos ritos de mumificação pelas suas propriedades bactericidas e odoríferas.

Havia também Shezmu, conhecido como o “Carrasco de Osíris”, era o deus dos óleos e perfumes utilizados nas mumificações, assim como a divindade demoníaca das execuções, sacrifícios, do sangue e do vinho. Sua função era destruir os malfeitores e cortar suas cabeças, que eram colocadas em uma prensa e esmagadas para produzir sua bebida favorita.

Resultado de imagem para shezmu

Continua…

Fonte: https://www.megacurioso.com.br/historia-e-geografia/67265-5-divindades-egipcias-sinistras-que-voce-talvez-desconheca.htm

 

Perfumes no Antigo Egito: em vida e na morte, do sagrado a sedução – parte 1

Já falamos sobre perfumes no Antigo Egito? Já sim, você pode ver aqui, aqui e aqui.

Porém, em 2016 fui chamada para fazer uma palestra online no Ciaroma 2016 e agora resolvi trazer para vocês parte do texto que elaborei para o evento! O tema que desenvolvi foi justamente a Perfumaria no Antigo Egito.

Como não se fascinar pela história das civilizações antigas, ainda mais quando há relação com a perfumaria!

Vamos lá então?

Antes vamos pontuar algumas coisas sobre a história da perfumaria no geral. A palavra perfume vem do latim ‘per fumum’, que significa ‘através da fumaça’. Isso nos leva a tempos imemoriais onde os homens faziam oferendas e atraíam a atenção de suas divindades adicionando ao fogo ervas, resinas, madeiras que modificavam o odor da fumaça, que a fazia ser perfumada.

O perfume era uma forma de ligar o homem ao sagrado.

O perfume como conhecemos hoje começou a tomar forma no final da Idade Média, quando surgiram águas aromáticas de finalidades medicinais, em uma época que o banho era evitado. Em 1370 surgiu a precursora da água de colônia, que era um preparado inspirado na então Rainha da Hungria. Foi chamado de ‘Água da Hungria’ e era composto de de alecrim, resinas e destilado alcoólico.

Durante o Renascimento a arte da perfumaria teve ascensão. Em 1533, quando a nobre Catarina de Médici mudou-se para a França a fim de casar-se com Henrique ll, levou em seu séquito o perfumista Rene Blanc, chamado de ‘O fiorentino’. Ele fundou a primeira boutique de perfumes de Paris.

No início do século XVIII o barbeiro italiano Giovanni Paolo Feminis, residente em Colônia, na Alemanha, comercializava a chamada acqua mirabilis composta de essências naturais da Itália (neróli, bergamota, alecrim e lavanda diluídos em álcool neutro). O sucesso foi tanto que seu parente Giovanni Maria Farina (que ficou conhecido como Jean Marie Farina) veio ajuda-lo na produção. A fórmula fora registrada com o nome de 1714 Água de Colônia e o mundo tornou-se mais perfumado!

Resultado de imagem para acqua mirabilis

Coisa muito recente no mundo da perfumaria é o borrifador. Nos anos 60, 70 o perfume não tinha nenhum tipo de válvula, era passado com os dedos. Virava-se o vidrinho, e com os dedos colocava-se o perfume nos pontos escolhidos do corpo. Na minha opinião, isso torna o ato de perfumar-se muito mais íntimo e sensual, envolve outro sentido além do olfato, o tato. Porém existe o risco de contaminação do perfume, em seus dedos podem existir bactérias e partículas diversas que podem acelerar o processo de oxidação do produto e até mesmo existe o risco de desenvolver uma alergia em virtude do líquido contaminado.

Continua…

Ilía Dual, Natura

Resultado de imagem para ilia dual natura

Sumi né? Me perdoem. Além de estar enfrentando uma séria doença em família, o calor não colabora. Como avaliar perfumes, como se deliciar com eles se está 57 graus e tudo desanda? Não evolui adequadamente, não dura na pele devido a transpiração, um horror!

Aí eu recebi o Ilía Dual da Natura. Já tinha lido sobre o lançamento e resolvi passar algumas noites debaixo do ventilador com ele na pele, para tentar passar minhas impressões sobre o bonito.

Aliás, bota bonito nisso…

Ilía vem para “reconhecer e admirar a beleza das dualidades femininas, ressalta a autenticidade dos opostos que se complementam.”

Começa com flores melífluas e adocicadas, polvilhadas de canela e um aspecto apimentado delicado. Suas notas de saída me causaram uma breve sensação de ‘pinicar’ a ponta do nariz, aquela provocação gostosa no olfato! Faz a gente ficar curiosa pelo que vem depois.

Segue o cortejo de flores! Tuberosa soberana, jasmim majestoso, mimosa plena de néctar e mel. Ah, as flores! Essas fadas da natureza, cada qual com seu encanto… A mimosa me é muito querida, tem um aspecto de mel que me causa uma sensação na boca, algo caramelizado que se eu morder, vai grudar no dente de uma forma travessa e deliciosa.

Mas espera, não vamos parar por aqui não! Logo sinto uma nota aveludada e cheia de atitude, elegante. Couro! Pelica macia e fina, sensual e protetora. Junto a ela chega uma nota melindrosa e incomum na perfumaria feminina, o tabaco! Mas que lindeza! Esquece o tabaco trágico dos cigarros, vamos pensar em charutos finos e cachimbos. É achocolatado, amadeirado, úmido!

Depois de muitas, muitas horas na pele (9, pra ser exata) no local onde Ilía Dual foi aspergido ainda existe um odor brevemente medicinal e ‘xaroposo’. Seria o benjoim?

Agora só consigo imaginar com ovai ser lindo o desempenho do Ilía Dual em dias mais frescos…

Notas de saída: acorde luminoso hesperídico, canela, pimenta rosa.

Notas de coração: mimosa, jasmim, tuberosa, flores iluminadas.

Notas de fundo: acorde tabaco e couro, cashmeran, benjoin e ládano.

PS. Tentei achar uma imagem de uma mulher em uma moto, vestindo couro e que nessa tivesse algo relacionado a flores. IMPRESSIONANTE como todas as imagens de mulheres motociclistas são erotizadas, estereotipadas e não condizentes com a prática do motociclismo. Obviamente, não utilizarei nenhuma dessas. Trago essa, que nos faz lembrar que podemos ir onde quisermos, que o mundo é nosso!

Women Riding Motorcycles

Fonte: https://silodrome.com/stories-of-bike-sister/