King Kong, Kenzo

Entre as amostras que recebi da Li, está o raro, descontinuado e exótico King Kong, da Kenzo.
Tal perfume foi o primeiro do designer japonês, foi criado em 1978 e eu diria que ‘mora’ na mesma selva que seus irmãos mais novos, o Tigre e o Elefante.
Quando recebi o flaconete, movida pela curiosidade logo passei no pulso e fiquei tentado adivinhar notas. Pensei logo em folhas de menta/hortelã amassadas, especiarias, bálsamos dourados, âmbar, madeira úmida e senti algo terroso que não soube dizer se era ou não patchouli, pois não era tão doce.
Quando li as notas reais do perfume, veio a surpresa: nada de patchouli (então o aroma de madeira úmida e a tonalidade terrosa devem ter vindo do musgo-de-carvalho), muitas especiarias, âmbar e bananas! E aí lembrei de uma passagem do livro ‘Clarissa’, do Erico Veríssimo, onde a personagem fica em dúvida quanto a qual fruta comprar na quitanda: morangos suculentos ou bananas descritas como pastosas e doces…
Pois é: bananas! Como bons primatas, Kong e eu gostamos.
No perfume aparece levemente licorosa, dourada. É o tal ‘bálsamo dourado’ de minha percepção. Parece o aroma de uma sensacional cachaça de banana que comprei uma uma loja de souvenir dentro do Horto Florestal, em Campos dos Jordão…
As especiarias e o âmbar nos levam ao tropical e deslumbrante coração dessa selva, onde existem animais, frutos e plantas nunca antes vistos. Tudo têm cheiros, cores e sabores tão intensos…
Notas: banana, especiarias, cravo-da-Índia, menta, notas verdes, musgo-de-carvalho, resinas, âmbar, rosa.
King Kong é intenso, latente, orgânico, pulsante. Tem uma sensualidade forte, indiscreta, instintiva. Com a evolução ganha um quê de couro, animálico. Suas especiarias e resinas são pura luxúria e fartura.
No começo achei o nome ‘King Kong’ meio sem pé nem cabeça, mas agora acho que ele não poderia ser mais adequado: forte, instintivo, intenso, apaixonado, viril, arquetípico.
Acho que me apaixonei por esse macacão…
Anúncios

8 comentários sobre “King Kong, Kenzo

  1. Sou suspeita…um dos perfumes que eu mais amo. Não sentiu a “nota” de gasolina?
    A evolução dele é uma loucura, rosa, cravo e especiarias. Único.

    PS: Clarissa…tinha esquecido desse livro…lindinho.

  2. Querosene…enfim, tudo derivado do petróleo, rs. Que tem algo assim, tem. Só senti essa nota até hoje no Fahrenheit, que amo também. O que será que é isso? Nunca descobri…acho que vou apelar pros conhecimentos do Henrique!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s