Tabu, Dana – Esse polêmico!

Imagem
O polêmico: TABU! Vítima de bullying por décadas a fio, sempre fui curiosa por ele! 
Desde sempre ouço falar que o bendito é sinônimo de puro mal gosto e carniça. Minha mãe dizia que lá nos anos 50, 60, Tabu era ao mesmo tempo muito usado e muito odiado, pois era fortíssimo e empestiava o planeta.
Para que armas, tanques, minas terrestres e bombas nas guerras que nosso planeta testemunhou? Era só ter espargido 50 litros de Tabu nas fileiras inimigas e a guerra estaria ganha sem destruição, as tropas inimigas se entregariam implorando clemência, com os olhos lacrimejando e pedindo por um banho de escovão (ok, desculpem a piada de péssimo gosto, mas de cunho pacifista, no final das contas)…
Aí é que está, fui ficando curiosa a respeito de tal suposta desgraceira.
E fui atrás dele. 
Tabu foi criado em 1932 pelo perfumista Jean Carles, pai de Miss Dior, Ma Griffe, Shocking. Começamos bem.
Tabu levou a fama de ser um “perfume de prostitutas”, e há algumas lendas a respeito de tais mulheres de vida nada fácil terem sido a real inspiração para o perfume…
Ah, o inconsciente coletivo e tudo que é socialmente proibido! Seria isso que condenou Tabu as fogueiras pelas conservadoras donas de casa das décadas passadas?
Outra coisa: ele sempre foi um perfume “popular”, barato, vamos colocar assim. E sabe, infelizmente temos, e sempre tivemos a mania feia de rotular o que é barato de ruim. E isso não é verdadeiro.
Enfim, Tabu fora criado para ser sensual, quente e provocante! 
Imagino que na época de sua criação ele deveria ser bem mais concentrado e de bem melhor qualidade do que o atual vendido nas drogarias paulistas. E mais bonito, afinal, o clássico frasco do violino não é de se jogar fora, longe disso…
 
E começa minha saga para conhecer o Tabu… procurei no Ebay e demais perfumarias online estrangeiras. Porém, com o tal da proibição de envio dos países do Reino Unido e com o azar que tenho tido com encomendas internacionais, deixei pra lá. 

Até que outro dia, voltando do famigerado shopping 25 de março (quem é de SP me entenderá), entrei no Armarinhos Fernando (loja de comércio ultra popular da região central) e fui lá na seção de cosméticos. Dei de cara com, a deo-colônia Tabu, Dana, a modestos R$ 4,95. Me enchi de coragem e comprei!
Quando cheguei em casa abri o frasco com medo, muito medo, confesso. Lembrei do dia em que numa festa junina, ganhei na pescaria uma colônia chamada “Viva a Noite”:  NUNCA (repita, NUNCA) me esquecerei de tal tragédia. Pensei que ia morrer asfixiada, aquilo era feito de querosene com diabo-verde e pinho-sol (para dar um “cheirinho”), aposto. 
Voltando ao Tabu… 

Acudam, a boa moça de família, aluna de piano, deixou-se levar pelos prazeres da carne! Culpa do Tabu…

Claro, óbvio, não pretendo que uma colônia de 5 reais seja de qualidade estupenda, nem sequer boa. Nem sei se ele de fato se parece com o que fora criado pelo grande Jean Carles.
A questão é que ele não é ruim assim não. Tem cheiro de talco de antigamente e lá no fundo tem algo voluptuoso, quente, especiado, quase erótico, quase vulgar. Era o que eu esperava, era o que eu queria dele.
Tem cheiro de cabaré com sofás de veludo vermelho gasto e bebidas baratas servidas em balcão de madeira. Na década de 50, claro, nada moderno. E a trilha sonora conta com blues e jazz, invariavelmente. 

Meu marido falou que ele tem cheiro de penteadeira.

Para quem gosta de “perfume de tia”, como eu, ele pode até agradar… Mas olha só, uma gota basta, mesmo sendo uma colônia de 5 mangos. Na verdade, eu até simpatizei com ele… Acho que é toda a mística ao redor do tal rejeitado perfume de bisca lá de antigamente. 
As notas da formulação original são: 
Notas de saída: laranja, especiarias, neróli, bergamota, coentro.
Notas de coração: cravo (especiaria), jasmim, ylang-ylang, rosas, narciso.
notas de fundo: sândalo, âmbar, patchouli, almíscar, civeta, bezoim, musgo-de-carvalho, vetiver, cedro.
E quer saber? Só atiçou ainda mais minha curiosidade de conhecer o original… Certamente bombástico! Do jeitinho que eu gosto!
 

Linda resenha sobre tal fragrância aqui, não deixe de ler: http://perfumesbighouse.blogspot.com.br/2009/09/tabu-by-dana.html

Anúncios

74 comentários sobre “Tabu, Dana – Esse polêmico!

  1. É, basta falar o nome para o pessoal torcer o nariz… Um tio meu, diz a lenda, usava o dito cujo até anos atrás, e isso até hoje é motivo de horror (porque esse tio meu, bem, também é conhecido como o supra sumo do fim de carreira). Mas como você diz, Tabu não é só isso… O fato de ser um perfume “de farmácia” ajudou a popularizar a fragrância e popularização excessiva leva à decadência, no mundo dos perfumes… Aposto como se fosse um L’Exclusif, cheirar à bisca seria chique!
    De qualquer modo, quero dizer que me lembro do tal Viva a Noite 9era criança, mas me lembro)! hahahahaah

  2. Nem se custasse 1 centavo, eu compraria este “polêmico”.
    É, Diana, não adianta…
    Quando a gente pega aversão ao perfume não há Cristo que nos faça gostar.

    Mas mesmo assim, adorei a sua resenha! =D

    PS: Corri pra pesquisar a tal colônia Viva a noite. Pelo frasco e cor é meio esquisitinha mesmo.

    • Adriana, li no seu blog sua aversão ao Tabu, lembrei de você quando escrevi e estava louca pra você ler aqui! Na verdade, tem o tal Viva a Noite no mesmo famigerado Armarinhos Fernando. Juro, não faz isso com sua saúde olfativa e com seu epitélio olfatorial. Foge dele! Tabu é sonho, é Chanel perto de tal desgraça…

  3. Interessante o post; pois, algo que é difícil de ver é alguém falar de perfumes e citar o sempre esquecido inconsciente… Realmente me “vi” aqui uma porque ganhei uma Viva a Noite e também um Dama da noite (mesmo sendo macho, muito macho… e dos bons, rsrsrs). Outra coisa é que poucas são as pessoas que sabem o poder psicológico que os perfumes propiciam. É incrível! Tenho conhecimento de um oficila (acho que capitão) do exército que indo à Guatemala se “internou” em um Templo Asteca (claro que descendentes deste povo) e tomou banho em banheiras com aromáticos pelo tempo de 3 dias, algumas horas cada dia e se curou de uma Hérna de disco. Casos que a história descreve com o médico Paracelso que curava a histeria (feminina) com o uso de aromas, com alguns poucos e míseros segundos. Ainda que nos posto se tenha apenas citado o ‘inconsciente” achei interessante porque é esquecido; porém, muito útil nesse assunto.
    Parabéns pelo Post e pelas piadas pacífistas… me atraem.
    Se algém quiser um “bate-bola” em perfumes e sua ação psicológica não esuqeçam de me chamar, inclusive, um amigo esses dias me chamou para dar uma Palestra (de graça) sobre o tema – Psicoaromaterapia! É simplesmente fascinante.
    Abraço.

    Fabiano Valente Nunes

    • Fabiano, interessantes suas considerações! Sou psicóloga e acredito que aromas tem a capacidade de despertar emoções, nos trazer a tona memórias adormecidas, e até mesmo trazer benefícios para a saúde.
      Coitado de vc, também foi premiado com um Vivia a Noite é? Fiz piadinhas com o Tabu, mas olha, tem muita coisa pior que ele a venda, e bem mais caras, diga-se de passagem! Você tem formação na área de aromaterapia, Fabiano?
      Seja bem vindo ao blog! Beijos!

      • Não tenho formação por meio de cursos, mas estudo e aplico com ótimos resultados. Estudo
        aromaterapia de vários períodos históricos. Tenho uma idéia geral e aos poucos vou me aprofundando.
        Hoje, por exemplo, me aprofundo nos povos Latinos (Incas, Maias, Astecas e Xamãs). Um universo
        pouco explorado que surpreende a qualquer pessoa… Não sou psicólogo, mas impossível usar a
        aromaterapia sem conhecer o mínimo… e por falar sou adoro Jung! Além de aromaterapia estudo e
        aplico na prática Cromoterapia e Musicoterapia (vai mais além do que se pode imaginar). Ah, para
        completar minha profissão é engenheiro projetista; sou formado em engenharia mecânica… tudo a ver,
        né! Abraço.

  4. Confesso que depois de uma descrição tão eloquente, até eu fiquei curiosa pra conhecer o TABU, mas e o medo?
    Pelo que vc descreve dos perfumes acho que temos gostos similares…
    Conheci seu espaço pesquisando pelo google alguém tão louca por perfumes como eu hahahahahhaa
    E me deu ao trabalho de pesquisar o TABU. Encontrei ele no Strawberry.net por míseros 45 reais… dá pra arriscar…
    Olha o link: http://br.strawberrynet.com/perfume/dana/tabu-eau-de-cologne-spray/143008/#DETAIL

    Continuo acompanhando suas postagens rs… me divirto bastante, parabéns!
    Beijos!

  5. adoro perfumes e suas histórias…adorei seu texto.divertido ao mesmo tempo rs.
    chanel 5 é um perfume que remete a algo muito antigo,cheira a talco e faz agente sentir algo que estar guardado lá no fundo de nossa alma.ninguém ousa em falar dele…..amo chanel,bem retrô,bem clássico.quase cafona,mas são poucos que entram de sola para falar mal do onipotente chanel.Agora o tabu,vejo como vc….tem suas qualidades,mas não uso e não gosto.

    • Também adoro conhecer as historias por trás de cada frasco! Tem vários perfumes que cheiram de forma ‘datada’, cheiram a antigo! Eu pessoalmente gosto, me fazem viajar! Tbém não uso o Tabu, mas respeito e vejo sim qualidades nele! E de fato, o Chanel 5 é quase que intocável!

  6. Esse é polêmico mesmo…vim pesquisar sobre ele porque dois entregadores de mercado estiveram aqui hoje de manhã usando esse perfume e até agora não saiu. Isso despertou a minha curiosidade porque nenhum perfume que já tenha usado, e isso vai desde importados até O Boticário e Natura, tem fixação tão boa.
    O cheiro não me agrada, confesso, mas toda a história por trás dele muda bastante a minha opinião, que antes era de um perfume fedido criado para trolar os pobres.
    Realmente, visualizando o cenário que você mencionou, de um cabaré com sofás vermelhos surrados e balção de madeira…o cheiro combina. É cheiro de anos 50 mesmo. Assim como o famosíssimo Chanel nº5 também não me agrada. Tem cheiro de vó. Não que seja algo ruim, só não combina com os dias de hoje, que pede fragrâncias mais frescas, mais modernas.
    Adorei a sua disposição de pesquisar e tirar as próprias conclusões livres de preconceito.
    Grande abraço!

    • Pois é Thays, o Tabu é sim um grande marco na história da perfumaria! Em breve falaremos mais sobre ele aqui no blog. Eu confesso, tenho uma quedinha por ele sim! É retrô, com ‘cheiro de penteadeira de vó’. É diferente da perfumaria comercial que estamos acostumados hoje, com seus aromas limpinhos e adocicados. Ele nunca foi criado pra trollar os probrinhos não! Minha mãe diz que sim, eram as mulheres menos abastadas que usavam, e que tinha fama de ser perfume de ‘mulher da vida’, como ela fala…
      Grande abraço, Thays!

  7. Oi gente, que coincidência, em dezembro comprei um vidro de TABU, paguei 7,80 e tenho arriscado em usá-lo só um pouquinho e sabem de uma coisa? Tem gente que me perguntou o que eu estava usando. Ele lembra sim perfume antigo, claro que guardadas as devidas proporções o Chanel n.5 pode ser descrito como da mesma linhagem do Tabu, enfim, gosto é gosto, mesmo o Chanel 5 não correspondeu as expectativas que eu tinha dele. Alguém se lembra da perfumaria Vigny? tinha um perfume chamado gollywood que era um arraso e já não mais existe, pois é o Tabu tem algo dele.Beijos.

      • Sim é isso mesmo Diana, o nome correto é Gollywogg, era um vidro bem pequeno e bonitinho, eu gostava dele, guardei o vidro bastante tempo mas depois sumiu.
        Tinha outro da Vigny senão estiver enganada era Paris nº 7 também muito bom. Acho que gosto de cheiros antigos, desde que sejam bons é claro. Beijos a todos.

  8. Voltei aqui só para contar que em um episódio da 2ª temporada de American Horror Story esse perfume é citado. A freira endiabrada (literalmente, no contexto da série) ganha um presente em uma caixa e antes de abrir ela pergunta se é o perfume Tabu. kkk

  9. Querida dina,, .
    Ele se parece um pouco com o chanel n.5, eo must de cartier.
    Mas o que vale mesmo e a historia, e o que ha por tras dele.
    Confesso que estou passando a noite para dormir, e pensando o que esse cheiro ja significou, e ainda significa.

    BJS

  10. Olá Dina!!!
    Adorei suas considerações sobre o TABU, realmente você tem razão, existem aromas que despertam sensações e trazem á tona memórias adormecidas. acabou de acontecer comigo ao ler seu post.Eu me apaixonei por esse perfume na década de 80, eu tinha uns 15 anos quando senti a fragrância deste perfume pela primeira vez.Hoje passados mais de 25 anos me vi sentindo-o novamente ao ler sua descrição. Uma bela postagem para um perfume que sem dúvida marcou gerações!!!Um grande abraço.

    • Marcos, isso é fato! Os aromas são máquinas do tempo! E sabe que o Tabu, por toda sua história, me conquistou. Consegui um Tabu EDC anos 50 em um leilão do Ebay (caixa lacrada, vidro idem, em perfeitas condições, autêntico) e caí de amores! Abraços e venha sempre!

  11. Tolice achar que perfume barato “de farmácia” é ruim. Puro preconceito. Eu pessoalmente gosto de Tabu se bem que por uns tempos. Paro de usa-lo e depois volto, apaixonado novamente . Os mitos que existem sobre ser perfume de prostitutas adicionam um charme todo especial na minha opinião. “Giorgio” de Beverly Hills é um perfume fino, caro , e também tem a mesma história sobre ele , que teria sido criado para as prostitutas famosas da Califórnia. Inclusive ouvi dizer que há restaurantes americanos que não aceitam clientes usando este perfume de tão forte que é e por perturbar quem está comendo por perto. Eu por exemplo, detesto o famoso Chanel número 5. Gosto é gosto. Só para finalizar, existia um perfume antigo, chamado “Príncipe Negro”, que também era “de farmácia” e muito bom. Um abraço perfumado a todos. Alberto

    • Bobagem das grandes, Alberto, concordo 100% com você! Também ouvi essas ‘lendas’ sobre o Giorgio, sobre os restaurantes e acompanhantes de luxo! E digo, também vejo o charme decorrente disto! Nada de glamourizar a profissão, mas de permitir que nos entreguemos a fantasia, imaginário e fetiche que ela pode nos oferecer!
      Principe Negro, vou procurar sobre ele, fiquei curiosa!
      Venha sempre Alberto!

  12. Estava navegando na net pesquisando sobre perfumes polêmicos e encontrei seu blog que por sinal é ótimo!
    A sua resenha sobre o Tabu me deixou curiosa quanto a ele, pois até hoje nunca senti mesmo não conhecendo ninguém que usava …é puro preconceito, não pelo valor mas pelos comentários sobre o “cheiro bombástico” que ele tem rsrsrs. Mas essa semana mesmo vou providenciar um exemplar para só aí dar uma opinião, graças a sua resenha que me deixou por demais curiosa.
    Mas uma coisa que também me chamou a atenção foi o fato de você ter citado o “Viva a Noite” que pra mim foi um perfume que marcou o início da minha adolescência, tinha uma amiga que usava e eu ia na casa dela nem que fosse pra sentir o cheiro que ficava no frasco, pois ao contrário da impressão horrenda que você teve eu adorava aquele cheiro absurdo de forte kkkk, vai entender esse negócio de olfato né.
    Enfim amei seu blog e você me convenceu a comprar um Tabu.
    Bjs!

    • Sarita, que legal ter despertado sua curiosidade para esse ícone da perfumaria! Mesmo que não goste, vale a pena conhecer! E sobre o Viva a Noite, que interessante a opinião de outra (rara) pessoa que o conheceu e soube ver sua beleza! Obrigada pelo elogio e venha sempre visitar o blog! Beijos!

  13. Comprei meu Tabu hoje.. Depois de ler muitas resenhas … Hoje deve estar fazendo uns 50 graus la fora então passei quase nada na pele só pra ter uma noção… Mas consigo imaginar o quão bom ele ficará numa noite fria. Achei muito justo pelo preço que paguei.

  14. eu quase morri de rir! que estilo corta-fogo de escrever, a história do Tabu é de rolar de rir! Ando atrás de um suposto Príncipe Negro que uma professora dizia que usava em 1968, por aí, nunca mais esqueci do bendito, tenho memória olfativa do demo e sou cheio dos perfumes franceses!

    • Sergio, o que seria de nós sem o bom humor, não é mesmo? E olha, adquiri um Tabu dos anos 50, que diferença! Que maravilha de perfume, logo falarei dele aqui!
      Principe Negro, agora fiquei curiosa… qdo descobrir me avisa heim!
      Abraços e venha sempre!

  15. Tabu, tanto tabu com esse Tabu de Dana. Pois eu adorava esse cheiro brega, vintage, de talco. Durante a década de 80 e 90 eu usei ele em dose homeopática e todo mundo me perguntava se era Chanel. O povo dizia: “Nossa que chique usando perfume francês”. E eu respondia (gargalhando por dentro, diga-se de passagem: “É né” kkkkk. Tinha um vidrinho vintage lacrado e outro pela metade super super vintage e elegantérrimo. Concordo com o que disse “Barato não sinônimo de coisa ruim”. Minha ex sogra era uma americana montada nos “dólar” e usava um perfume exclusivéeeerrrrrrimo criado pelo Jean Patou. Era uma coisa fétida. Uma vez quando preparávamos para ir a um casamento aqui em SP ele resolveu usar essa maldição fétida. Impregnou o apartamento com aquele cheiro enjoativo que tive de passar uns dias na casa da minha mãe no litoral quando ela foi embora. Uma bomba maior do que Chanel Nº 5. Deve ser Parfum Extract, sendo 90% só de essência. Outro que me fez ficar dias enojada foi um perfume que o Andersen (meu ex) comprou quando esteve na Chapada Diamantina, olha vou dizer uma coisa, prefiro as águas de batata sem cheiro algum do que um nicho. Pense num perfume forteeeeee incenso puro e um floral tão intenso e sujo (acho que devia ter civeta, almíscar animal, âmbar e um monte dessas coisas animalescas). Briguei um mês com o ex para que ele não usasse aquele demônio olfativo perto de mim. Até que ele vendeu para um amigo lá do Sul.

    • Tabu é kitsch, é brega, é mal-falado, é um ícone! E sempre terá lugar no nosso imaginário e corações! Me diverti com seu relato, sua ex-sogra devia ser uma figura, imaginei ela saída do seriado Dallas (lembra desse?)!

  16. Tabu é o perfume da minha madrinha! Ele é o seu cheiro que conheço há anos. E há anos cato os vidros do perfume nas prateleiras da Drogaria Venâncio, aqui no Rio de Janeiro. O cheio é forte, porém marcante. Muito marcante! Ele me lembra ela, pessoa mais do que querida, minha segunda mãe. Por isso sempre terei ótimas lembranças deste cheiro. E realmente é, curiosamente, super barato.

  17. Super interessante seu relato sobre #Tabu Diana, eu sempre me interessei por fragâncias que despertam minha memória olfativas, de vez em sempre, vou a drogaria e compro algum que me desperte esse interesses, e olha ontem mesmo comprei um “Tabu Segredos”, por um preço bem em conta paguei 10,70$ por ele e o que foi bem interessante no seu texto é que, realmente “cheiro de cabaré com sofás de veludo vermelho gasto e bebidas baratas servidas em balcão de madeira” ahhh!! isso foi ótimo rs, realmente é um clássico e valem muito mais, do que muitos vendidos por um preço tão caro e que não correspondem as nossas expectativas.

  18. Falando em perfumes antigos,tem um q me faz lembrar minha juventude, não sei se ainda existe, diziam q era argentino, era o Vitess, ele vinha em uma garrafinha, se não me engano verde ou marrom…estou atrás dele a tempos e não encontro. Alguém ai conhece?

  19. Tabu e uma agua de toilette épica. Muito dificil encontrar em Portugal e ate na Europa. Acabei de descobrir em Zaragoza/Spain. Bjs e usem o perfume que altera para cima o nosso estado de espirito.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s