Âmbar

Doce, resinosa, acolhedora e calorosa nota muitas vezes em vez de pó recriada a partir de uma mistura de bálsamos, geralmente ládano, benjoim, baunilha, styrax e abeto ou uma combinação de alguns deles. A nota oriental padrão.

Muitas vezes definido como as lágrimas de sol, a alma do tigre, mel endurecido, luz petrificada, janela para o passado, ouro nórdico e muitos mais metáforas. Segundo os cientistas Âmbar é a resina fossilizada de árvore que levou milhões de anos para se formar.

Esta resina aromática é também referida como uma pedra preciosa orgânica que é a resina endurecida da extinta pinus succinifera e outras árvores.

As resinas produzidas pelos vegetais agiam como proteção contra a ação das bactérias e contra o ataque de insetos que perfuravam a casca até atingir o cerne das árvores. A resina que saía da madeira acabou por perder o ar e a água de seu interior. Com o passar do tempo (milênios) as substâncias orgânicas formadoras do âmbar acabaram se polimerizando, formando assim uma resina endurecida e resistente ao tempo e à água.

O mais antigo âmbar tem uma idade de 345 milhões de anos. Semi resina fossilizada ou âmbar sub-fóssil é chamado copal. São cerca de 3.000 exemplares catalogados de inclusões de âmbar, que incluem, insetos, aracnídeos, pequenos animais e plantas. No entanto, o mais comum foram os insetos e folhas.

Sobre a origem do âmbar, é encontrado em quase todas as partes do globo enquanto a maioria dos depósitos de âmbar foram encontrados na Europa, e são cerca de 50 tipos de resinas fósseis de diferentes idades. Âmbar da região do Báltico, que também é conhecido como âmbar Báltico, é conhecido exclusivamente por sua qualidade e é o mais procurado. É rico amarelado brilhante na cor e é considerado o melhor para fazer jóias. As resinas fósseis asiáticas (as mais antigas peças têm o tamanho de uma cabeça) são encontrados em Birma. Eles são mais opacos, marrom escuro, às vezes, vermelho e amarelo. Na África, os habitantes locais especialmente as mulheres, usa-o para confecção de adornos e amuletos. Na Sicília e no norte da Itália são encontrados depósitos de âmbar vermelho e amarelo (de árvores da família Cupressaceae).

Desde a pré-história, as regiões banhadas pelo Mar Báltico, como Lituânia, Letônia e Estônia, são a principal fonte de âmbar. Acredita-se que o material foi utilizado desde a Idade da Pedra. Foram encontrados também objetos de origem báltica nos túmulos egípcios datando 3200 a. C. Outra pista importante foram objetos encontrados na Escandinávia que eram utilizados por vikings dos anos 800 até 1000 d. C.

O nome vem do arábico anbar, provavelmente através do espanhol, porém esta palavra referia-se originalmente a ambargris, uma substância animal completamente distinta do âmbar amarelo. O âmbar verdadeiro tem sido chamado às vezes de karabe, uma palavra da derivação oriental significando “o que atrai a palha”, em alusão ao poder que o âmbar possui de adquirir uma carga elétrica pela fricção.

Na perfumaria, o âmbar é uma combinação de benjoim, lábdano e baunilha, que dá a sensação de quente, um pouco doce e lenhosa.

O âmbar também foi muito popular na antiga Roma durante o reinado de Nero, quando jóias, enfeites, amuletos, e até mesmo dados foram feitos de âmbar. Nero também enviou uma expedição à Escandinávia para encontrar “ouro do norte”, que resultou na criação de novas e importantes rotas de comércio para o Império.

A Sala de Âmbar Russa é considerada uma das maiores criações da história e não só isso, é chamada de a 8 ª maravilha do mundo. A Sala de Âmbar é uma coleção de painéis de parede encomendados em 1701. Ela foi feita a partir de 1701 em diante, a fim de ser instalado no Palácio de Charlottenburg, casa de Friedrich I, o primeiro rei da Prússia, a pedido de sua segunda esposa, Sophie Charlotte.

Em 1717 foi dado ao czar russo Pedro, o Grande, da Prússia e foi construído de seis toneladas de âmbar dispostas em painéis de parede ornamentados. Em 1755 foi transferida e instalada no Palácio de Inverno e, em seguida, no Palácio de Catarina pela czarina Elizabeth da Rússia. A sala de âmbar foi destruída em 1945, reconstruída entre os anos de 1975 e 1979, e aberta ao público em 2003.

Alguns perfumes com notas ambarinas:

Alien, Thierry Mugler

L’Eau d’Ambre, L’Artisan

Euphoria, Calvin Klein

Gaultier 2, Jean Paul Gaultier

L’Ambre des Merveilles, Hermes

Coco Chanel, Chanel

Miss Dior Le Parfum, Dior

Trouble, Boucheron

Cinema, Yves Saint Laurent

Amber Elixir, Oriflame

Aromadisiac for Her, Avon

Strip, Agent Provocateur

Ambar, Jesus del Pozo

Calamity J., Julliete Has A Gun

Fahrenheit, Dior

Anúncios

3 comentários sobre “Âmbar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s