Passion, Annick Goutal

Já tenho o Passion faz um bom tempo, mas até então não tinha rolado um entendimento entre nós.

Mas tem perfume que é assim, precisa de um flerte mais demorado, cortejo e galanteios até que ele se abra e revele sua beleza. Outros já são mais atirados e de cara despertam desejo… O Passion, apesar do nome, é do primeiro tipo.

Embora tenha em sua composição flores brancas, baunilha, patchouli e musgo de carvalho, Passion é um floral equilibrado, gentil e carinhoso.

Começa com tuberosa de nuance plástica e um curioso cheiro de tomate cereja! Algo entre o doce e o ácido, dá uma boa dose de frescor! Depois de alguns minutos aparece o jasmim, que pega a tuberosa pela mão e a leva pro caminho mais narcótico, animálico. Mas só o comecinho de tal caminho, nada de mergulho devasso e intoxicante.

Soma-se a tais flores o ylang-ylang com cara de antigamente, chega e já dá tonalidade retrô ao perfume. E o corpo do Passion se torna um floralzão com pinta de anos 70/80, extremamente feminino.

No final senti um breve dulçor de baunilha e a força selvagem do musgo-de-carvalho.

Eu diria que é um perfume simples e sem grandes arroubos, porém de imensa qualidade. As notas olfativas são de grande realismo, muito de aproximam com os cheiros naturais das flores. Bom, pelo que sei a marca utiliza-se de matérias primas naturais para a elaboração de suas fragrâncias, deve ser isso…

E com o perdão do trocadilho, eu que até então mal tinha reparado no Passion, estou apaixonada!

Foi criado por Annick Goutal em 1983.

Notas de saída: tuberosa, folhas de tomate.

Notas de coração: jasmim , ylang-ylang, baunilha.

Notas de fundo: patchouli, musgo-de-carvalho.

Annick Goutal foi pianista e modelo. Trabalhando com perfumistas na criação de um creme facial, descobriu sua vocação para a perfumaria. Inspirava-se em suas experiências pessoais, pessoas e lugares amados. Faleceu em 1999 aos 53 anos, vítima de câncer e desde então sua filha Camille, a quem Annick dedicou uma de suas fragrâncias, deu continuidade ao legado de sua mãe e continua a criar fragrâncias em companhia da perfumista Isabelle Doyen.

La Belle Annick

Fórmula do Humor, Natura

Antes de mais nada, informo que esse perfume já foi descontinuado pela Natura. Mas ainda consegue-se encontrar a venda em mercados virtuais, grupos de desapegos e nessas lojas de pronta entrega que revendem a marca.

Fórmula do Humor é perfeitamente compartilhável e casa lindamente com o outono! É ao mesmo fresco e adocicado, fixa bem e exala de forma ponderada.

A Louca aqui teve uma leitura diferente do que é dito nas notas olfativas oficiais. Vou falar das minhas impressões…

Logo ao aspergir o perfume na pele senti um intenso acorde fougére todo embrulhadinho em âmbar! Depois senti algo ao mesmo tempo picante e doce, achei que era mirra. Senti ainda algo carameladinho misturado a avalanche de âmbar da base, que o tempo todo se faz presente. Existe ainda ali uma nota folhosa que dá certo frescor e leveza ao perfume. Achei que era lavanda… Na base tem um vetiver simpático, que tende a ter cheiro de produto de limpeza, coisa de cera e lustra-móveis. E não pense que isso desabona o perfume!

Fórmula do Humor é um perfume bem agradável viu? Se encontrar dando sopa por aí, experimente! Não é o perfume de grande evolução na pele, o que acontece é uma ‘maturação’ da nota ambarina. Ela começa permeada de folhas verdes e com o tempo acaba ficando mais adoçada, caramelizada. Em outra interpretação, é um doce âmbar apimentado e controlado pelo frescor do vetiver e de folhas verdes.

Foi lançado em 2011.

Notas olfativas oficiais:

Notas de saída: pimenta preta, pimenta rosa.

Notas de coração: folhas de violeta.

Notas de fundo: âmbar, vetiver, madeiras.

Veja outra opinião sobre ele aqui.