Lampião

Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, também conhecido como “O Rei do Cangaço”, não era um matuto desajeitado como muitos pensam!

O historiador Frederico Pernambucano de Melo, conta que Lampião usava o cabelo untado de brilhantina e tomava banho de perfume francês, Fleur d’Amour, da maison Roger & Gallet. A fragrância foi criada em 1904. Gostava tanto do perfume que passava também nos cavalos. Porém, algumas fontes citam que Lampião usava mesmo era  Chanel nº5…

Imagem

Usava lenços de seda no pescoço e apresentava um cartão de visitas com sua foto, o que só os endinheirados tinham. E andava de carro. Possuía um lendário relógio Patel Phellipe de ouro, com corrente, para ser usado no bolso e importado da Suíça. A marca Patek já era, e ainda é, uma das mais prestigiosas e caras. Desde 1902, os ricos brasileiros compravam seus Patek em 79 parcelas de 10 francos suíços, em consórcios conduzidos por uma joalheria carioca de nome Gondolo & Labouriau. Se era roubado, aí já é outra história…

Ele ainda era obcecado por luxos, novidades estrangeiras, pela própria aparência, e costumava exagerar. Fã de uísque White Horse e licor de menta francês, ia pelo sertão com botões de ouro no casaco e todo cheiroso! Sorte da Maria Bonita!

Ironicamente, exisita a tal Perfumaria Lopes, localizada na Praça Tiradentes – RJ, que em 1931 e em 1932 anunciou que pagaria 50 contos para quem prendesse o cangaceiro (http://lampiaoaceso.blogspot.com.br/)!

 

My Queen, Alexander McQueen

Imagem

Fragrância criada em 2005 por Anne Flipo e Dominique Ropion. Frasco criado por Thomas Bastide. 
My Queen é mais uma obra da grife criada pelo genial Alexander McQueen, que se suicidou em 2010. Ao lado de Kingdom e Enchanted, My Queen remete aos contos de cavalaria, a época medieval e todos seus arquétipos. É a camponesa, a feiticeira, é a rainha. 
Era o perfume da mulher idealizada por McQueen, misteriosa, maravilhosa e sedutora.  
Demorei muito pra conseguir tal perfume, tive umas 3 compras canceladas por não ter mais o produto em estoque, um outro se perdeu no episódio da fragrancex de agosto/setembro de 2011, mas enfim, agora tenho um pra chamar de meu! 
O frasco é lindo. Roxo, borrifador integrado ao vidro (e que lembra o chapeleiro louco da Alice), detalhes vazados pemritindo a visualização do perfume dentro do frasco. Muitas vezes lembra uma coroa ou um frasco de alguma poção preciosa! Fique a vontade para mais interpretações! 
E o cheiro é muito bom, intenso, cremoso, poderoso. 
Notas de saída: violeta de parma (bem marcante, quem não gosta das notas de violeta deve ficar longe), amêndoas doces 
Notas de coração: flor de laranjeira, flores brancas, heliotrópio (que dá um toque aveludado e achocolatado ao perfume), muks branco 
Notas de fundo: íris, patchouli, vanilla, vetiver, cedro. 
Percebo que gosto muito dos perfumes com a combinação patchouli/vanilla como notas de fundo. Dão toque cremoso, terroso e pungente ao perfume. 
Apesar de tudo, não me sinto uma rainha usando My Queen. Explico: não uma rainha convencional, mas a rainha do filme “Branca de Neve e o Caçador”, ou para Cersei Lannister, de “Game of Thrones”. Pra elas sim, My Queen encaixaria como uma luva…
Imagem