Patchouli (Pogostemon cablin, Pogostemon heyneanus ou Pogostemon patchouly)

 no thumbnail available 2

O Patchouli (Pogostemon cablin, Pogostemon heyneanus ou Pogostemon patchouly família Lamiaceae) vem da Índia, onde é conhecido como puchaput. As folhas de Patchouli são ovais, com aproximadamente 10 cm de comprimento e 13 cm de largura. O pé alcança um metro de altura, e as flores são esbranquiçadas, tingidas de púrpura. É nativo de regiões tropicais da Ásia, mas cresce bem em climas tropicais. Hoje em dia diversas variedades do gênero Pogostemon são cultivadas na Ásia, África Ocidental e América do Sul para seu óleo aromático.

O nome deriva das palavras patchai, que significa “verde”, e ellai significa “folha”. A planta foi trazida para o Oriente Médio ao longo da rota da seda, e foi graças ao famoso conquistador Napoleão Bonaparte que o patchouli chegou à Europa. Napoleão trouxe para a França um par de xales de caxemira que ele encontrou no Egito. Os xales eram impregnados de óleo de patchouli, que foi usado para repelir insetos e protege-los de mariposas, mas a origem do perfume foi mantida como segredo.

O Patchouli se tornou inicialmente conhecido na Inglaterra em 1820, quando foi usado para impregnar os xales indianos que ficaram tão na moda que os desenhos eram copiados pelos tecelões de Paisley para serem exportados para muitas outras partes do mundo. Contudo, era impossível vendê-los se não cheirassem a Patchouli. Na década de 1860, o aroma de Patchouli possuía a mesma popularidade na Inglaterra como teria na década de 1960. Durante os anos 60 e 70 este óleo perfumado pungente que tem uma forte referência oriental era usado pelos hippies, que muitas vezes eram ligados ao movimento Hare Krishna. Infelizmente, os hippies contribuíram para a má reputação de óleo de patchouli, porque eles fizeram surgir formulações sintéticas de má qualidade para atender a demanda do mercado.

Não se sabe muito a respeito das propriedades terapêuticas do óleo essencial de Patchouli. Ele tem uma ação bactericida geral, mas suave, é um notável afrodisíaco e apressa a formação do tecido cicatrizante.

O aroma de patchouli é descrito como terroso e herbáceo com o coração verde rico e uma base amadeirada. O perfil olfativo de óleo de patchouli, no entanto, depende fortemente das técnicas de cultivo, o tempo da colheita, o processo de secagem e técnicas de destilação. O óleo de alta qualidade é obtido a partir de apenas 3-4 pares superiores de folhas maduras, em que a concentração mais elevada do óleo puro é encontrado. Secagem adequada é assegurada pela colocação das hastes cortadas e folhas em uma superfície seca e virá-los com freqüência para evitar a fermentação rápida. Quando o processo estiver completo, as folhas são retiradas dos caules e colocados em cestos para permitir a fermentação e liberação de seu aroma. A qualidade final dependerá também da habilidade do produtor, que controla o nível de fermentação. Apenas um pequeno número de destilarias é especializada na produção deste extrato altamente refinado, que encontra a sua utilização em alta perfumaria.

Óleo de patchouli é obtido por destilação a vapor ou CO2-extração das folhas secas. O óleo tem um sabor rico, balsâmico e herbáceo com um tom mentolado-lenhoso. Patchouli absoluto é um líquido verde escuro obtido por extração com solvente de folhas secas. O absoluto tem um aroma rico, pronunciadamente doce e herbácea e de tom balsâmico. Eles misturam perfeitamente tanto com buquês orientais, chypre e fougère. Patchouli combina bem com o vetiver, que contém o perfil de terra mesmo olfativo, sândalo, cedro, lavanda, cravo, rosa, labdanum, e assim por diante.

Uma das características mais maravilhosas do óleo de patchouli é que ele torna-se ainda melhor com a idade. O óleo recém destilado tem propriedades menos ricas em termos de aroma do que um óleo mais “velho”.

Alguns perfumes com notas de patchouli:

Angel, Thierry Mugler

Vanille Patchouli, Molinard

Midnight Poison, Dior

Coco Mademoiselle, Chanel

C’est La Fete Patchouli, Christian Lacroix

Mon Parfum Cheri par Camille, Annick Goutal

Let it Rock, Vivienne Westwood

Tom Ford for men Extreme

Anúncios

4 comentários sobre “Patchouli (Pogostemon cablin, Pogostemon heyneanus ou Pogostemon patchouly)

  1. Eu tenho pobrema com o patiulí. Ele me dá comichão nas narina.

    Falando sério, é difícil eu gostar dessa nota. Tem hora que vai, mas nem sempre. Quando ela aparece evidente, viji, é a morte pra mim. Deve ser culpa da minha rinite, sei lá.

  2. Que pena Vanessíssima, você chega a conseguir usar algum que tenha alguma sombra de patchouli?
    É uma nota que, se bem usada, acho fantástica.

  3. o´la gostaria de saber mais sobre essa espécie. p. heinaanus. se puder mande as referencias de onde vc tirou as informações. agradeço antecipadamente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s