Les Égocentriques, Ego in Vitro

egocentriques1

O amigo Daniel Barros, consultor da Ego in Vitro, autor dos livros ‘202 Perfumes Para Provar Antes de Morrer‘ e ‘303 Perfumes Para Provar Antes de Morrer‘, agora se aventura de outra forma: criando perfumes!

Recebi o ‘kit degustação’ da linha Les Égocentriques e fiquei admirada com a alta qualidade dos perfumes criados! O interessante desta coleção é que os perfumes podem ser usados individualmente ou combinados. Isto mesmo, a linha convida a testar novas possibilidades e ampliar sua percepção olfativa através das mais variadas combinações. Enfim, você adquire kits com nove perfumes, mas pode ousar com uma imensa variedade de combinações!

Vou falar aqui dos perfumes que já provei e minhas percepções sobre cada um deles:

TUTTI: meu queridinho! Tem frutinhas selvagens roxas e vermelhas, daquelas que você nunca sabe se pode de fato comer e que mancham as mãos. Tem balinhas de violeta, tem  toque gourmand açucarado elegante, sem exageros! Só para situar o leitor, desfila no bloco do Insolence da Guerlain.

KALEB: que beleza heim? Perfume de doçura viril, começa com uma nota bem pronunciada de anis. Tem algo licoroso e algo achocolatado que se pronuncia com o uso. Só para situar, é amigo do Raghba e do Sensei.

JIANG: dele, só descrevo a sensação que me causou. Sabe aquela sua roupa preferida, que você usa muito? Que mesmo lavando tem seu cheiro impregnado? Então. Ela foi lavada com sabão e amaciante e agora está sendo passada. Ao contato com o ferro quente, libera cheiro de limpeza e da sua pele.

RENÉE: perfume truqueiro heim? Começa com flores e aura polvorosa, todo elegante. Porém, logo surge uma tonalidade animálica, achei que era a faceta indólica de flores brancas, mas o Daniel Barros confessou que é civeta… Sério, que perfume sexy!

QUINN: lindamente amendoado, me fez pensar em marzipã e nougat. Depois revela um floral branco (ainda amendoado) limpo, andrógino, luminoso! Para mim tem tuberosa, lírios e muguet. Um belo bouquet rodeado de amêndoas drageadas!

GREET: polêmico e exótico, mas não harmonizamos. Tem cheiro de ramas de cenoura esmagadas regadas com suco de limão. E tem um floral limpo, quase funcional.

BIRKE: me fez pensar na atmosfera futurista do Calandre, na ousadia sujinha do Cabochard e na elegância fetichista do Kelly Calèche. Tem couro, tem patchouli de faceta terrosa, tem algo verdoso que me faz pensar em casca de árvore. Achei belíssimo!

SASHA: no começo pensei em óleo essencial de algum cítrico, acho que limão siciliano. E tem especiarias, ah tem! Penso em algum tipo de pimenta em pó, zimbro. E tem incenso. O engraçado é que ele é um perfume especiado refrescante. Exótico e estranhamente familiar. Me fez pensar naquelas balas de goma árabes (loukum ou rahat).

CYRUS: me fez pensar em um primeiro momento, em eucalipto e no lado canforado do patchouli. Me faz pensar em sauna também. Acho que junto com o GREET criaria uma atmosfera quase asséptica. Interessante, embora não faça meu estilo.

Eu combinaria: o RENÈE e o BIRKE, o QUINN e o SASHA, o JIANG e o CYRUS, ou ainda o QUINN, o RENÉE e por cima o TUTTI. O KALEB quero usar sozinho mesmo! O TUTTI também… enfim, quero explorar todas as possibilidades desses lindos!

Coleção incrível, te parabenizo e desejo sucesso, Daniel Barros!

Para maiores informações entre em contato com http://egoinvitro.com.br/egocentriques/

 

15 comentários sobre “Les Égocentriques, Ego in Vitro

  1. Achei essa ideia de Daniel Barros FANTÁSTICA! Além de possibilitar um estudo de nossa preferência olfativa, nos transforma em um perfumista, de uma forma lúdica e séria ao mesmo tempo. Tô contando os dias para viver essa experiência gostosa, despretensiosa, mas seriamente construtiva.

  2. Adiquiri o kit e me surpreendi com a qualidade de alguns exemplares da coleção. De longe, meus favoritos são o KALEB, o GREET, o RENÉE e o BIRKE. Não gostei do CYRUS e do JIANG (gosto de perfumes fortes e marcantes), mas confesso que combinações com o CYRUS ficaram muito boas. No perfume SÓMEU, combinei o CYRUS, o BIRKE, o KALEB e o GREET. RENÉE é um perfume que adoraria usar sozinho.
    Enfim, um conceito de mestre! Parabéns ao Daniel Barros!

  3. Um conceito muito legal do mestre Daniel Barros. Comprei o meu assim que soube.
    De cara gostei muito do RENÉE, do BIRKE e do KALEB. Não gostei do CYRUS e do JIANG (tenho preferência por perfumes fortes). SASHA é extremamente herbáceo para mim, e TUTTI é muito menininha. Achei QUINN o mais versátil.
    Depois, testei logo as combinações e descobri que prefiro aquelas intituladas Chic e Sexy (beijo no ombro).
    No perfume SÓMEU, combinei CYRUS + KALEB + BIRKE + GREET e achei que ficou muito bom. RENÉE merece ser usado sozinho.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alteração )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alteração )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alteração )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alteração )

Conectando a %s