Femme, Rochas

Imagem

Criado pelo mestre Edmond Roudnitska em 1943, em meio a 2ª Guerra Mundial, com as tropas nazistas ocupando a França. Época de incertezas, angústia, crise, escassez. Marcel Rochas encomendou tal perfume ao mestre perfumista para presentear sua esposa. E quem diria, do meio dos escombros surgiu a agressiva e exótica flor nomeada Femme.
Quando o usei pela primeira vez quase sufoquei. Que floral aldeídico agressivo, potente, impositivo! Como uma mulher devia ser na época, para superar e enfrentar as dificuldades que a guerra traria…
Mas deixemos a guerra de lado e vamos falar do Femme. Seu frasco é uma alusão nítida ao corpo feminino, voluptuoso, como das divas da época, que inspiravam e seduziam soldados e os demais rapazes. Diz a lenda que seu frasco fora inspirado no corpo da atriz Mae West. Nesta época as mulheres eram mais robustas, cheias de curvas e a beleza era essa, ser mulher!
Femme hoje é cosiderado um perfume datado. E é. Ainda bem, pois falamos de um período histórico, e um perfume deve ser retrato desta época. Foi reformulado em 1989, mas manteve muitos de seus traços originais.
Notas de saída: pêssego, ameixa, canela, apricot, bergamota, limão, madeira rosewwod.
Notas de coração: alecrim, cravo (a flor), íris, jasmim, cravo-da-índia (agora sim – a especiaria), ylang-ylang, rosas
Notas de fundo: couro, âmbar, patchouli, baunilha, muk, bezoin, musgo-de-carvalho.
Quanta riqueza em suas notas! O couro e o musgo-de-carvalho são bem perceptíveis desde o início. Tornam o que seria um festim de flores e frutas em uma comemoração sóbria, elegante e cheia de segredos. Como se os participantes de tal festa se retirassem “a francesa” para cantos escuros e lá se comportassem de modo impróprio. Um baile de máscaras, é isso! O alecrim encontra seu par, o carvo-da-índia, e tem início uma das relações mais conflitantes deste perfume: quem se  destacará mais? E acabam empatando. As especiarias são como amantes ciumentas, volta e meia se impõe e se fazem notar, deixando as flores intimidadas!
As frutas são perceptíveis na pele logo nos primeiros segundos após a borrifada, e só aparecem novamente já no final de tal festejo. Acabam ficando para a sobremesa…
Femme é um lindo perfume. Para momentos especiais, em que você não terá medo de expor sua feminilidade de forma pura, quase bruta e animalesca. Femme é pele nua em sofá de camurça.
É forte, é quente, é cheio de arestas e segredos. Como uma mulher…

Feerie, Van Cleef & Arpels

Imagem

Admiro muito os perfumes da joalheria Van Cleef & Arpels. Feerie desperta o desejo mesmo sem sentir a fragrância, essa fada prateada é um convite!  É lindo demais! E isso pra não falar no azul multifacetado, o típico perfume para enfeitar a penteadeira de meninas e mulheres sonhadoras.

Feerie tem cheiro do primeiro dia de férias. É fresco, doce na medida, exala magia e nos transforma instantaneamente em uma princesa Disney se preparando para um baile…

Criado em 2008 pelo perfumista Antoine Maisondieu, suas notas são:

Notas de saída: groselha negra, mandarina italiana, violeta

Notas de coração: rosa da Bulgária, jasmim egípcio

Notas de fundo: íris, vetiver

Apesar de constarem poucas frutas em sua composição, sinto como se fosse uma deliciosa salada de frutas recém cortadas e regadas com água de laranjeira e de rosas, como os doces sírios. As notas florais e frutais se entrelaçam com perfeição.

Eu esperava que tal perfume fosse mais intenso, queria uma fada mais teimosa e excêntrica, mas não tiro o brilho desta ninfa suave, etérea e perfeita como companhia em dias mais quentes.

Feerie, traduzido do francês, significa “mundo das fadas”, “fantasmagoria” ou ainda “encantamento, universo poético”.

 

Baunilha

Imagem

Os astecas já utilizavam as vagens para perfumar uma bebida à base de cacau. A baunilha mexicana foi conhecida e usada na Europa desde o século XV e rapidamente foi introduzida/cultivada nas colônias.

O aroma da baunilha estimula a ambição e aumenta a atividade física e intelectual. Aumenta a disposição e combate a letargia.

A etmologia da palavra: durante a derrubada do Império Asteca, homens encontraram a planta da baunilha e a apelidaram de “vainilla”, um diminutivo de “vaina”, que quer dizer “bainha” em espanhol. Por sua vez, “vaina” vem da palavra latina “vagina”. Isso tudo por causa da forma das plantas, que precisam ser abertas e divididas para a extração dos grãos.

Todos conhecemos o cheiro e sabor de baunilha, principalmente o sintético. O extrato de baunilha natural é muito caro e sua produção é pouco lucrativa para os produtores. O cheiro da baunilha consiste em vários componentes, principalmente vanilina e piperonal (heliotropina).

Vanilla é uma espécie de orquídea. Há cerca de cem de variantes desta planta, mas apenas dois são usados ​​na produção comercial devido ao seu sabor e aroma: planifolia (Bourbon, ou de Madagascar) e tahitiensis.

Imagem

A Vanilla Bourbon vem de Madagascar, uma ilha no Oceano Índico, que é considerado o maior produtor de baunilha, produzem 1.000 toneladas de vagens por ano nas Ilhas Comoro e Ilhas Reunião. A mesma variante é cultivada na África e na Indonésia. Foi nomeada após o antigo nome da ilha da Reunião, ter se tornado Bourbon.

Em condições naturais as flores são polinizadas por insetos e beija-flores, mas em plantações é feito manualmente. Vagens verdes permanecem nos ramos de 8-9 meses e depois de colhidos são submetidos ao processo de maturação por 34 meses. Durante tal processo que se formam os cristais da chamada vanilina.

Utilizam-se a essência de baunilha, o absoluto e as resinas. A baunilha é constante nas formulações dos  perfumes orientais. É usada também para aromatizar produtos farmacêuticos e diversos alimentos (sorvetes, iogurtes, chocolate…).

Demorada, rara e absolutamente deliciosa!

Bleu Royal, Princesse Marina de Bourbon

Imagem

Cismei que precisava ter tal perfume! O intenso azul do frasco já icônico da marca me seduziu, e não deu outra, comprei!

Tem tudo para ser admirado pelos que gostam da família oriental floral! É denso, misterioso, levemente picante, os tons ambarados pronunciados. Flores noturnas encerradas em um frasco. E como combina a cor do frasco com seu aroma!

Foi criado em 2012, e sua composição é:

Notas de saída: bergamota, flor de laranjeira e maçã

Notas de coração: jasmim, violeta, lótus

Notas de fundo: sândalo, patchouli e âmbar.

Uma composição sem grandes invenções e que deu muito certo. O sândalo é pronunciado, bem como o âmbar, o patchouli aparece em alguns momentos, picante, doce, atrevido. As flores são muito bem “unidas”, um buquê opulento, rico, cremoso, quente. 

Gosto muita da linha Marina de Bourbon, preços bons, perfumes de qualidade e boa fixação! 

Parisienne, Yves Saint Laurent

Parisienne! Ares de modernidade em uma fragrância clássica e atemporal!
Filhote do Paris, foi apresentado pela Yves Saint Laurent em 2009, e criado por Sophie Labbe e Sophie Grojsman.
Segundo a inspirada descrição do meu marido: “Esse perfume é pra ser usado em uma manhã de sol de domingo, em uma varanda cheia de flores, de frente pro mar. Mas tem que ser domingo”. Ficou bonito né?
Parisienne é um perfume floral enérgico, nada apagado. Tem a força sedutora das rosas e o toque doce-azedinho de frutas silvestres, dessas que colhemos no mato e nem sequer nos preocupamos em nomear. É um perfume para a menina-mulher, que não decidiu se quer seduzir ou correr descalça por aí…
Para mim é um perfume diurno, vibrante, iluminado, perfeito pra dias quentes ou tardes amenas da primavera! É isso! Parisienne é pura primavera!
Notas de saída: cranberry, amoras
Notas de coração: roisas, peônia, violeta
Notas de fundo: vetiver, sândalo, musk e patchouli.
Das notas de fundo sinto o vetiver, tímido e discreto. Nada da opulência das madeiras e do musk, em Parisienne eles constróem a base do perfume, mas não se fazem evidentes e memoráveis.

A História do Jasmim

A História do Jasmim

Entrevista com Pierre Benard, perfumista da companhia PAYAN BERTRAND, por Serguey Borisov.

Texto traduzido (perdoem os possíveis equívocos) do original no link: http://www.fragrantica.com/news/Jasmine-A-Gift-of-God-3659.html

Payan Bertrand

Desde 1854 Payan Bertrand explora fontes aroma natural para abastecer a indústria com ingredientes naturais e também fazer fragrâncias excepcionais si. Desde o início, a empresa focada em matérias-primas naturais locais que foram cultivadas em Grasse, como jasmim, rosa, folhas de violeta ou mimosa. Mais tarde, a empresa expandiu sua expertise para incluir materiais importados, como aroma de patchouli, feijão tonka, ambreta, styrax, benjoim, etc. A empresa tem melhorado constantemente sua técnica de produção e capacidade: no início era de destilação, mas acrescentou enfleurage e tal tecnologia inovadora como solvente volátil extrações (em 1920).

A empresa então desenvolveu técnicas de destilação da fração na década de 50 e, mais recentemente, destilação molecular. Em 2004, o ano do seu 150 º aniversário, a empresa abriu uma segunda unidade de produção dedicada exclusivamente a compostos de fragrâncias.

Localizada em Grasse, a nova unidade abrange 1000 metros quadrados. Em 2006, a aquisição de Aromatics Gerais permitiu à empresa dar um passo muito importante no seu desenvolvimento e para obter uma medição de peso pelo robô automático, Roxane A, para a produção de compostos de suas fragrâncias.

A História do Jasmim, por Pierre Benard

Imagem

Marinheiros espanhóis trouxeram o jasmim para o sul da França em 1560, e para Grasse em 1700. Para o final de 1700 o plantio de jasmim foi estendido para cerca de 15 hectares, e começou a crescer ao ar livre apenas em 1860. Por mais de dois séculos Grasse tinha o monopólio do jasmim e produção de materiais aromáticos a partir dele. Desde a sua primeira aparição na região que desfruta de uma posição privilegiada. Plantações de jasmim espalhado a partir de Vence até Seillan. Em Grasse os moradores chamaram simplesmente de “A Flor.” Desde então hectares de plantações de jasmim e de produção de “A Flor” já começaram a diminuir. Em 1925 Grasse produziu 1000 toneladas de flores, seis anos depois, em 1931, foi de apenas 700 toneladas. Em 1965 eles se reuniram apenas 300 toneladas, e em 1980, apenas 200 toneladas. Agora, apenas algumas toneladas de jasmim são produzidas na região de Grasse. Os principais produtores tornaram-se Itália, Argélia, Marrocos, Turquia, Índia e Egito (cerca de 2/3 da produção mundial).

A Riviera Francesa agora está focada mais no turismo do que a agricultura. Mas o famoso jasmim de Grasse ainda existe. A qualidade dele é excepcional agradecer a muitos fatores, como o clima especial da região, o solo e as próprias plantas. Em Grasse eles usam plantas enxertadas. Pequenas empresas tornar as comunidades sobreviver e continuar a produção histórica de jasmim. Eu estou entre os torcedores apaixonados do Fleurs du Pays d’de Grasse, associação que se esforça para preservar a produção de jasmim em Grasse. 

Sergey Borisov: Ouvi dizer que o cheiro de jasmim depende de suas espécies e geografia. Por que é assim?

Pierre Benard: O jasmim pertence à família botânica Oleaceae, juntamente com a oliveira, lilás e osmanthus. Há 160 espécies de jasmim, que são utilizados como uma planta decorativa em jardins. Para perfumistas de Grasse apenas duas espécies de jasmim são de importância: Jasminum grandiflorum L, uma espécie com flores grandes, e Jasminum vulgare ou Jasminum officinale, com flores pequenas. Esta espécie é utilizada em Grasse como base de enxerto para a espécie grandiflorum, uma vez que não é tão sensível à geada como o último. Análises químicas do aroma de jasmim durante todo o ciclo da sua vida ajuda a dividir o jasmim de diferentes regiões. Jasmim de Grasse tem benzoato de benzila e isophytol no equilíbrio perfeito. Jasmim cultivados em climas mais quentes diferem por um elevado nível de acetato de indole e de benzilo e menor nível de jasminoides: metil jasmonato (molécula perto do hediona sintético), e lactona de jasmim, que tem um carácter mais cremoso. Em outras palavras, jasmim de Grasse cheiros mais fresco, com tons frutados e menos animalesco.

Imagem

Jasmim Sambac ou árabe foi apresentado ao duque da Toscana em 1690. Esta espécie possui um aroma mais verde, mais indólico com uma nuance de citros. Há espécies mais interessantes de jasmins: 

Jasminum odoratissimum, jasmim amarelo a partir das Ilhas Canárias. Seu odor tem nuances de flor jonquil e neróli.

Jasminum azoricum, Jasmim dos Açores ou da Madeira, que tem notas verdes e frescas semelhantes ao tipo Sambac, mas com toques de flor de lima e chá.

Jasminum Auriculum, nativa da Índia, que é muito indólico e não tem acetato de benzila. Índios chamavam Motiyaa em hindi e Mogra em línguas Marathi. A propósito, há um monte de outros nomes, não só Jasmim: Pikake no Havaí, Melati Putih na Indonésia, nas Filipinas Sampaguita, Chambeli ou Yasmin no Paquistão (para a Indonésia, Filipinas e Paquistão é a flor nacional).

Como se pode ver, a principal diferença está na biologia, e, em seguida, clima, solo, etc. Há também muitos dos chamados falsos jasmins-estrela jasmim (Trachelospermum Jasminoides), Jasmine Chile (Laxa Mandevilla), a noite-blooming Cestrum Nocturnum, a Gardenia jasminoides ou Sempervirens Gelsenium…

Sergey Borisov: Por favor, diga-nos como a tecnologia de extração do aroma de jasmim da planta se desenvolveu?

Pierre Benard: A tecnologia mais antiga poderia soar um pouco estranho, mas a essência de jasmim primeiro foi feito com a ajuda de açúcar em pó, algália e âmbar. Esta pomada foi então diluída com álcool de uva. Não há tal coisa como óleo essencial de jasmim. Flores de jasmim frágeis não podem ser maceradas ou destiladas. A técnica enfleurage fria com gorduras animais mais restaura fielmente o cheiro da flor real. Mas o processo é muito demorado e a quantidade do produto final é muito pequena para servir a indústria, de modo que este método não tem sido largamente utilizado desde os anos 1940.

Agora vamos praticar o método de extração de solvente volátil: temos 2,5 kg de fora de concreto de 1 tonelada de flores. Concreto jasmim contém de cerca de 1 kg de ceras de flores. Como resultado obtemos 1,5 kg de jasmim absoluto do concreto. Novas tecnologias avançam para “química verde”. Extração realizada por CO2 proporciona uma excelente qualidade de jasmim absoluto, que é muito próximo ao que fez por enfleurage. Esta técnica não produz quaisquer produtos residuais.

Sergey Borisov: O preço de jasmim absoluto é maior que o preço do ouro (se pesá-los). É óbvio que muitos tentam diluir. Como perfumistas controlar a qualidade?

Pierre Benard: O preço depende de sua origem, o ano de colheita quantidade, e oferece as características do mercado e técnicos. De fato, alguns produtores misturar Grasse jasmim absoluto com o mesmo de outras regiões, e depois vendê-la como pura Grasse jasmim absoluto. Porque há uma alta demanda para isso, perfumistas ainda usam e estão dispostos a pagar caro por isso. Nosso jasmim absoluto possui uma nuance de groselha preta (cassis) e os custos de cerca de 20-30 mil euros para 1 kg. O preço é alto e o controle deve ser inteligente.

Primeiro de tudo você deve testar a diluição do álcool absoluto em purificada em solução de 10%. Então você testar os fatores físicos, como a densidade e índice de refração. Hoje, cromatografia gasosa e espectrometria de massa e permitem-nos ter exatamente a qualidade e as características de quantidade do absoluto. Perfumistas comparar jasmim de diferentes colheitas e fabricantes, e desenvolver um padrão a ser utilizado como um dos critérios.

Sergey Borisov: Como sabemos, o absoluto é composto de muitas moléculas diferentes em determinadas proporções. Como é que as pessoas fazem uma análise química de jasmim antes?

Pierre Benard: Um dos primeiros compostos de jasmim absoluto foi sintetizado em 1855. Foi acetato de benzilo. Seu aroma é frutado e adocicado, que lembra doces com um sabor sintético de pêra e banana. Tornou-se a primeira base artificial para aromas de jasmim do final do século 19. A mesma molécula é usada para recriar os odores de tuberosa, madressilva, ylang-ylang (a partir do último pode ser naturalmente isolado).

A partir de 1906, a tendência para perfume perfumes de jasmim tinha começado. Perfumistas tentaram copiar a natureza, reproduzindo aroma de jasmim com misturas naturais e sintéticas. Eles fizeram chamados de jasmim “bases” como, por exemplo, de Jasminia Chuit-Naef ou White Jasmine criado por Marius L. Reboul para Givaudan. Ele permitiu a criação de perfumes de jasmim famosos Un ar Embaume por Rigaud (1912) e Jasmiralda por Guerlain (1915). Em 1918, Les Parfums Rosine, do estilista Paul Poiret, apresentou Le Jasmin de Rosine. Coup de Foudre por Les Parfums de Rosine era o perfume aldeído primeiro jasmim, criado por Henri Almeras, perfumista da Rosine. Um acorde ousado de jasmim, couro e vetiver fez o coração de Scandal, da Lanvin, criado em 1932.

Desde a descoberta da alfa aldeído cinâmico de amilo (marca comercial “Flosal”), em 1923 (um cheiro de jasmim com nuances oleosas), a produção perfumes a base de jasmim floresceu. Essa molécula foi usada também para a recreação o cheiro de tuberosa e lírio-do-vale, nos anos 40.

Em 1933, a equipe desenvolveu a jasmona, molécula que foi descoberto pela primeira vez na natureza. Maurice Chevron cria “Jasmin 231,” uma base de acetato de benzila e alguns outros componentes que não existiam no jasmim real. Esta base de jasmim com nuances narciso tornou-se muito popular. “Jasmin 231” foi usada em Canoe por Dana e Alegria por Jean Patou, no inesquecível Cabochard de Gres e Charlie da Revlon. Chamado de “Flor de Jasmim”, com tonalidades de flor de laranjeira, foi criado por Hubert Fraysse (Synarome), em 1947, e foi utilizado em Madame Rochas em 1960 e Caléche por Hermes, em 1961.

A base de “Floraline Jasmin 62” foi desenvolvida pela Charabot em 1962, possuía tons característicos da flor de jasmim e geléia Raspbery. Jean-Claude Ellena usado na criação do First, por Van Cleef & Arpels (1976).

A Firmenich desenvolveu um dos mais populares compostos de jasmim chamados de “hediona”, em 1962. Perfumistas começaram a utilizar-lo após a sua introdução em Eau Savage por Christian Dior. Costumo dizer que 70% das pessoas que usavam Eau Savage eram realmente as mulheres. Opium, de Yves Saint Laurent foi baseada na base de jasmim “Jasmine 2000.”

Agora sabemos que cerca de 260 diferentes componentes de jasmim absoluto, que contribuem para o seu aroma encantador. E eu tenho certeza que não é o número final. Perfumistas e químicos trabalham constantemente no desenvolvimento de novas moléculas artificiais. Entre os que posso citar ® Jasmonol com jasmim verde e nuances frutais, Delta Jasmolactone (oleosa, frutado-lactônico), verde ® floral Jasmal com nuances de cogumelo, ® Jasmonyl doce e aguado, bem como Jasmopyrane, Gelsone, e assim por diante, e assim por diante…

Sergey Borisov: Como um perfumista, você pode dizer quantas moléculas diferentes são suficientes para criar um acordo de jasmim perto da flor real? E quanto jasmim absoluto é geralmente em um perfume?

Pierre Benard: É geralmente feito de jasmim absoluto, juntamente com compostos sintéticos com jasmim-como cheiro, ou você pode usar moléculas encontradas no absoluto (hediona para o primeiro exemplo, e Indol mais benzoato de benzila como o segundo exemplo). Um perfumista que podem pagar por 1oz (30 ml) de jasmim absoluto é um homem feliz! Geralmente é cerca de 1% de jasmim absoluto em um perfume, e é suficiente para fazer um perfume de jasmim bonito.

Se você deseja recriar Grandiflorum Jasmine sem a coisa real nela, você deve começar com seus principais componentes: acetato de benzila, benzoato de benzila e jasmona. Eles estão todos os presentes no absoluto real. Hediona tem de ser incluída, bem como substituto jasmonato de metilo. Uma pequena quantidade do que pode ser encontrado no ylang-ylang.

Então, vamos refrescar a mistura com um toque de rosa e cítricos. Se o seu orçamento é bom, podemos escolher rosa e absolutos de flor de laranjeira. Caso contrário, o álcool essencial feniletilo e antranilato de metilo e nerolidol. Mas ainda não é o suficiente. Um buquê de jasmim não seria nada sem a sua folhagem verde, de modo a manter em mente para adicionar alguma verdura com Cis-3-hexenilo Benzoato. Quanto as notas animálicas, mais indole que você usa, mais você vai do jasmim Grasse para as regiões tropicais. Para enquadrar a sua criação usar Veltol 10%, absoluto de baunilha, eugenol, e um toque de immortelle absoluta para o amor eterno… Ele foi apenas um exemplo de uma base de jasmim acessível de boa qualidade, mas para um aroma de jasmim como você pode usar apenas cinco moléculas.

 

 

 

 

 

 

 

Fantasme, Ted Lapidus

Imagem

Gosto dos perfumes da grife Ted Lapidus!

Fantasme foi criado em 1992 por Pierre Bourdon, e carrega todo o “peso” e intensidade dos perfumes da década de 80, embora seja da década posterior. Considerado da família floral frutal, não tem nada de frutinhas infantis e carameladas! Fantasme é suculento, com um toque sintético e persistente. Das frutas de sua composição as que mais sinto são o abacaxi (que pra minha percepção vem em calda) e o damasco, que “quebra” o adocicado com toque de acidez. Suas notas verdes me parecem que vêm do jasmim e do lírio ainda não completamente desabrochados, quase “verdes”, imaturos. Como grande parte dos perfumes Ted Lapidus, é um desses arrasa quarteirão, de impressionante fixação e sillage. Chega a ser sufocante de usado em demasia. 

Notas de saída: abacaxi, damasco, notas verdes, violeta e bergamota 

Notas de coração: rosa, jasmim, framboesa, orris, lírio-do-vale 

Notas de fundo: musk, sândalo, baunilha, cedro. 

O vidro é um muito bonito. Simples, e objetivo. Tenho o de 30ml, e parece um bibelot! 

Fantasme segue a linha olfativa do Trésor e Il Bacio. Perfeito para quem gosta de grandes perfumes, opulentos, marcantes e de rastro potente! Seu nome é sugestivo, é como se um vulto perfumado e decidido tomasse a noite e marcasse ali sua presença…

Héliotrope Blanc, L. T. Piver

Imagem

Quem não gosta dos atalcados, corra para as montanhas! 

Héliotrope Blanc, colônia criada em 1850 por Louis Toussant Piver tem por base notas de jasmin, ylang-ylang, baunilha, heliotrópio e amêndoas. 

A história de tal perfumaria inicia em 1774, Paris, em uma loja de perfumes chamada “A la Reine des Fleurs“. Atrás do balcão estava Michel Adam, que tornou a loja a fornecedora oficial da corte de Luís XVI e posteriormente das famílias reais da Europa. Louis Toussaint Piver  assumiu a casa no século XIX. 

No século XIX L.T. Piver tinha mais de cem filiais ao redor do mundo, incluindo Inglaterra, Bélgica, Espanha, Áustria, Rússia e Brasil. Em Paris, lojas foram abertas para atender a crescente clientela da empresa. Uma fábrica para o processamento de flores foi aberta em Grasse, e uma segunda fábrica em Aubervilliers especializados na fabricação de diferentes produtos cosméticos. Em 1926, eles empregaram uma força de trabalho de 1500 trabalhadores, produzindo cerca de 50 toneladas de produtos a cada dia. 

Os perfumes “Trèfle Incarnat”, “Cuir de Russie”, “L’Eau de Cologne des Princes”, “A la Reine des Fleurs”, “Pompéia” “Floramye”, “Heliotrope Blanc”, “Rêve d’Or” são nomes que eternizam a Piver entre os grandes nomes da perfumaria. 

Mas vamos voltar ao Héliotrope Blanc… Como não se encantar com o visual antigo da embalagem? Como não se apaixonar pelo aroma inebriante e intenso que essa colônia de fixação impressionante exala? É atalcado, aveludado, o tipo de perfume que faz transportar para outra época, entre o medievalismo e o renascimento. O incrível é que este perfume data do século XIX, é um verdadeiro documento histórico, retrato de uma época! 

Alguns dirão que tem o cheiro do talco que a avó usava, então convenhamos que a sua avó era muito cheirosa! E diz uma coisa, tem algo mais confortante e saudoso do que o abraço da avó?

Heliotrópio

Imagem

Nome científico: Heliotropium arborescens L.

Nome vulgar: heliotrópio, planta chocolate, heliotrópio-do-peru

Família: Boraginaceae

Arbusto ereto, de textura semi-herbácea, perene, ramificado, de 0,7-1,2m de altura, originário do Peru. As folhas são alternas, ásperas, enrugadas e marcadas pelas nervuras.

Possui inflorescência densa, terminal, de forma escorpióide, com flores perfumadas, pequenas, de corola tubular, azul-violeta, roxa ou branca, formadas no verão. Há diversas variedades hortícolas registradas, de flores com cor e perfume de maior ou menor intensidade, bem como de porte anão ou mais compacto.

Pode ser cultivada isoladamente, em maciços ou renques, em terra fertilizada, irrigada periodicamente. Também cultivada para extração de perfume. Aprecia o frio. É propagada facilmente por estaquia.

Fonte: http://www.floresta.ufpr.br/~paisagem/plantas_dezembro.htm

Grandes Marcas: Coty – Parte II

Imagem

Coty fora um gênio do ramo cosmético! Elaborou linhas de produtos com o mesmo aroma das fragrâncias, criou o pó facial como conhecemos, em embalagens redondas e compactado. Em 1910 tinha pontos de venda em Londres e Moscou, e em 1913 possuía loja bem estabelecida na Quinta Avenida, em NY.

Alguns dos perfumes mais famosos da Coty:

1904 – La Rose Jacqueminot;

1905 – L’Origan e Ambre Antique, primeiros a misturar essências naturais e sintéticas;

1912 – L’Or, a base de flores de tabaco;

1917 – Chypre, o grande ícone da marca é criado.

Após a morte de Coty em 1934, a empresa foi assumida por Benjamin Levy. Neste período, devido a Grande Depressão Americana, a empresa enfrentou grandes dificuldades. As vendas caíram drasticamente e a empresa se viu obrigada a reduzir seus preços para continuar no mercado. Após a Segunda Guerra Mundial a Coty sofreu uma revolução: a linha de produtos foi aumentada, foram incluídos produtos masculinos. As embalagens foram remodeladas, os preços foram adequados ao mercado, produtos foram expostos em displays nas drogarias e perfumarias. Enfim, a marca tornou-se popular.

Imagem

De lá até os dias atuais, a Coty fora subsidiária da Pfizer, adquiriu muitas indústrias cosméticas e foi comprada em 1962 pela alemã Joh. A. Benckiser GmbH. Possui duas subdivisões, a Coty Beauty e a Coty Prestige que possui em seu portfólio inúmeras marcas de grande nome, entre elas: Davidoff, Jil Sander, Vivienne Westwood, Isabella Rossellini, Calvin Klein, Cerruti, Vera Wang, Chloé, Lagerfeld, Marc Jacobs, Adidas e muitas outras. Possui ainda contratos com celebridades como Jennifer Lopez e Beyonce, que assinam linhas de perfumes.

Link de anúncio de um catálogo antigo de perfumes da Coty, com texto transcrito, vale a pena ler:  http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-430120738-perfumes-coty-catalogo-antigo-ilustrado-_JM

Imagem

Fontes consultadas: Aftel, Mandy.  “Essências e Alquimia – um livro sobre perfumes”. Rio de Janeiro, Editora Rocco, 2001.

Blogs: www.mundodasmarcas.blogspot.com.br e www.perfumesbighouse.blogspot.com.br

 

 

 

 

Grandes Marcas: Coty – Parte I

Imagem

Falar da Coty é falar da história da perfumaria! Considerado o inventor da perfumaria moderna, Frances Spoturno (o simpático da foto acima) nasceu em 1876 na Córsega.  Ficou órfão cedo e fora criado pela avó. Quando jovem, frequentava o laboratório de um boticário do qual se tornou amigo. Esse produzia fragrâncias e as vendia em frascos comuns, como os de farmácia. As pessoas depois passavam o conteúdo para frascos elaborados e decorativos.

Frances então teve a idéia de associar fragrâncias e belas embalagens e começou sua jornada. Por volta dos 20 anos, trabalhou em Grasse na casa Chiris, uma das maiores produtoras de essências florais da época. Em 1904 conseguiu um empréstimo com sua avó, montou um laboratório caseiro e iniciou a produção de perfumes. Sua perfumaria fora nomeada Coty em homenagem a sua mãe, uma vez que esse fora seu nome de solteira. Logo lançou seu primeiro perfume, La Rose Jacqueminot, feito a base de concentrados de flores e apresentado em frasco da Baccarat. Tal perfume chegou a ser recusado em uma grande loja de departamentos da época, por não ser considerado sofisticado. E eu trocaria um rim por tal preciosidade!

Imagem

Diz a lenda que Coty “derrubou” um dos frascos recusados no chão da loja, o que fez com que o aroma se espalhasse e seu pequeno estoque fosse vendido ali mesmo para os consumidores inebriados!

 

Imagem

Acima, frasco original do La Rose Jacqueminot (imagem retirada do site http://cleopatrasboudoir.webs.com/).

Em 1905 criou dois perfumes inovadores: L’Origan e Amber Antique, que foram os primeiros a combinarem ingredientes naturais e sintéticos.

Imagem

Frances “Coty” foi pioneiro na fabricação em ampla escala de frascos decorados, para ele “um perfume deve atrair tanto os olhos quanto o nariz”. Também permitia que suas clientes provassem os perfumes antes da compra. O primeiro tester foi um Coty!

Em 1908 inaugurou uma loja na Praça Vendôme, próxima a loja do joalheiro e mestre vidraceiro René Lalique.  Coty pediu que Lalique desenhasse seus frascos, e conseguiu um modo de produzi-los em larga escala usando moldes de ferro. Sua ambição e sonho estavam concretizados, uniu-se a beleza das fragrâncias com a beleza dos frascos! Nascia aí a perfumaria como conhecemos atualmente.

Continua…